home

Entendendo - Tecnologia Shimano Synchro Shift Di2


11 MAI, 2016     Gustavo Figuereido     1    



Desde seu lançamento, os grupos eletrônicos da Shimano, batizados de Di2, sempre tiveram a capacidade de causar alvoroço no mercado. O primeiro a receber a tecnologia de trocas eletrônicas foi o Dura-Ace, topo de linha da marca quando falamos em ciclismo de estrada. O lançamento do Dura-Ace Di2 aconteceu em 2009 e, na época, parecia que a migração desta tecnologia para as trilhas se daria rapidamente. Porém, este desembarque aconteceu apenas em 2014 com a chegada do XTR Di2 - segundo a Shimano, o grupo que teve o maior tempo de desenvolvimento da história da marca.

Assim como aconteceu na estrada com a apresentação do Ultegra Di2, a Shimano também levou a tecnologia de trocas eletrônicas para o segundo nível de sua cadeia nas trilhas com a apresentação do XT Di2 M8050, grupo que chegou para tornar mais acessível o custo das trocas eletrônicas para atender uma fatia mais ampla do mercado.

imagem


Além de obvias adaptações para suportar o ambiente hostil das trilhas, a Shimano investiu bastante tempo desenvolvendo novas funcionalidades para o XTR Di2 antes de seu lançamento. Certamente, uma das grandes mostras disso é o sistema Synchro Shift, presente tanto no XTR quanto no XT, que permite realizar trocas de marcha de uma forma mais simples e eficiente, tornando-se uma ferramenta bastante útil mesmo para atletas mais exigentes.

O que é o Synchro Shift?

A primeira coisa que devemos dizer é que o Synchro Shift não é um sistema de trocas automáticas. Isso significa que a bicicleta não vai mudar as marchas sozinha e sim somente quando o ciclista desejar. Com ele é possível utilizar um ou dois passadores. No primeiro caso, um sistema computadorizado realiza as trocas tanto do câmbio dianteiro, como do traseiro, possibilitando um uso mais inteligente de toda a relação, evitando cruzamentos e minimizando os buracos de cadência na relação.

O sistema Synchro Shift permite, por exemplo, utilizar duas ou três coroas com a mesma simplicidade de uma transmissão de uma coroa. Com isso, o atleta não perde as vantagens de ter um escalonamento com menos espaçamento entre as trocas nem a amplitude de marchas que só múltiplas coroas podem oferecer.


E-tube e Customização

Além de toda a tecnologia embarcada nos componentes, certamente outra grande estrela do Di2 é o aplicativo E-Tube. De atualizações no firmware a configuração do momento ideal de cada troca, este aplicativo permite customizar o sistema inteiro para satisfazer exatamente às necessidades do ciclista.

imagem
Tela inicial


Outro detalhe interessante é que o E-Tube pode, de maneira simples, customizar os mapas de funcionamento do Synchro Shift. Com uma tabela, você escolhe o momento que deseja que o câmbio dianteiro realize a troca e, para facilitar, ela mostra de maneira gráfica qual a diferença de relação entre uma troca e outra.

imagem
Customização dos mapas de troca de marcha


Além disso, como citado acima, é possível selecionar a função que você deseja para cada um dos 4 botoes dos trocadores. Para fazer isso, o E-Tube possui uma tela bastante simples que permite fazer esta seleção de maneira intuitiva. Com isso é possível utilizar só um trocador, o que abre espaço no guidão para alavancas de regulagem de suspensão e canotes retráteis.

imagem
Tela de seleção de função de botões


S1, S2 e modo Manual

Utilize 1 ou 2 trocadores e mude a configuração para troca automática do cambio dianteiro
Em primeiro lugar, utilizar o sistema é bastante simples, basta acionar os botões de troca normalmente, como no sistema mecânico. Porém, o Synchro Shift oferece 2 opções de customização: o S1 (que utiliza até os pinhões maiores antes de trocar o câmbio dianteiro) e S2 (que troca o cambio dianteiro antes da corrente cruzar o meio do cassete), além do modo manual. No software do E-tube, o ciclista pode configurar a forma como serão efetuadas as trocas de marcha de seu Di2, inclusive configurando se fará trocas no trocador direito, no esquerdo, etc.

imagem
Sistema conta com três modos de atuação


No caso de você ter o FD (Câmbio Dianteiro) em sua bicicleta, a customização que você programar no E-tube permitirá a você usar ou não o trocador dianteiro, por exemplo. Se você fizer a programação no E-tube para que as trocas no câmbio dianteiro sejam feitas automaticamente pelo sistema, você não precisará do trocador dianteiro! Essa é uma função que estabelece um grande diferencial para ciclistas que estão tentados a ter uma bicicleta sem câmbio dianteiro pela simplicidade que isso oferece, mas leva em consideração as inúmeras possibilidades e variáveis que um pedal de All Mountain, por exemplo, pode oferecer.

Vídeo explicativo



Conclusão

Além de realizar as trocas de marcha com perfeição milimétrica e nunca desregular, os grupos XT e XTR Di2 apresentam a grande vantagem de poder operar múltiplas coroas com apenas um trocador de forma sincronizada, otimizando o uso de energia e evitando desperdícios de potência com combinações de coroas e pinhões inadequadas.

Além disso, segundo relatos de ciclistas profissionais que utilizam a bike em provas de longa duração, não se preocupar com trocas e poder cambiar com um simples apertar de botão certamente são uma grande vantagem em momentos de esforço ou exaustão extrema.

Agora que o Di2 chegou ao primeiro grupo do Mountain Bike da História – o Deore XT, cada vez mais a transmissão eletrônica se torna mais acessível a todos!


Comentários

  • avatar

    rogeriobh    Belo Horizonte - MG

    rogeriobh    Belo Horizonte - MG

    Eu atualizei meu ultegra 6870 com a bateria dn110 o syncroshift facilita muito e torna muito simples as trocas, mantenho a cadência até mesmo em subidas sem levar aqueles espaços nas trocas de coroa , gostei muito
    3 mes(es) atrás - Denunciar




  • Relacionados