home

Entendendo Cambio e Passador


23 JUL, 2008          6    



O sistema de troca de marchas da bicicleta é composto por câmbios traseiros, câmbios dianteiros (opcional) e passador de marcha. Além de claro, a transmissão, com engrenagens especiais que facilitam as mudanças e serão tratadas em outro texto.

Os câmbios são responsáveis pelo movimento da corrente sobre as engrenagens (chamadas de cassete, na roda traseira) e coroas (na pedivela). A combinação entre as engrenagens do cassete e a coroa, é o que torna possível uma pedalada com mais giro e menos força ou o oposto. A eficiência de um sistema marcha esta na rapidez, suavidade e precisão com que as mudanças são feitas.

Passadores

Existem qutro modelos principais de passadores de marcha, os Thumbshift, os Rapid Fire e os Grip Shift e os STIs (ou Ergopowers). A diferença entre os sistemas é o modo como os passadores estão disponíveis no guidão, a posição junto à manopla e o modo como as trocas de marcha são efetuadas.

imagem
os principais modelos de passadores

O passador para o câmbio traseiro fica do lado direito do guidon e para o câmbio dianteiro do lado esquerdo. Apesar de terem o mesmo aspecto, cada lado tem o funcionamento interno diferente, já que o câmbio e número de marchas diferem. Também são diferentes os passadores para diferentes quantidades de marchas, ou seja, existem passadores para 6, 7, 8, 9, 10, 11 e até 12 marchas, sendo os mais comuns indo de 9 a 11 velocidades tanto para speeds quanto para MTBs.

O thumbshift é um sistema já ultrapassado e encontrado somente em bikes de passeio mais antigas. É composto de uma alavanca que fica presa ao guidon virada pra cima e que o ciclista a gira com o polegar até efetuar a mudança para a próxima marcha. É lento, fica em uma posição não muito confortável e mais difícil de regular, caindo, assim, em desuso no MTB. No ciclismo de estrada, todavia, muitas bicicletas de contra-relógio utilizam thumbshifters nas pontas dos clips. Com isso, é possível fazer alavancas de freio mais esguias, o que melhora a aerodinâmica da bike.

imagem
Um thumbshifter de contra-relógio com alavanca de freio aero

O gripshift é um sistema composto por um "anel" inserido no guidon, lembrando o acelerador de uma moto. A mudança de marcha é feita girando esse anel de um lado para o outro. É o segundo sistema mais popular, tendo como vantagens o menor peso, a mudança rápida de marchas (pode-se girar da primeira até a última marcha facilmente) e é menos sujeito a quebrar no caso de uma queda, pois não possui alavancas.

O rapidfire é o sistema mais aceito e consiste de duas alavancas de trocas, uma para aumentar e outra para diminuir a marcha. É bem suave e ao contrário do gripshift, não tem muito risco de passar marchas acidentalmente. É também ligeiramente mais pesado, porém é o mais popular por ser o mais confortável de usar, pois devido a sua posição, basta usar o polegar e o indicador, sem ter que mudar a posição da mão no guidon.

Para as estradeiras atuais, o sistema mais comum é o STI (Shimano), Ergopower (Campagnolo) ou Double Tap (Sram). Todos os sistemas contam com alavancas posicionadas junto das alavancas de freio. Com isso, o ciclista consegue trocar marchas e frear sem tirar a mão do lugar. Cada fabricante aposta em um tipo de acionamento.

imagem
Câmbios, passadores, visor e suporte de bateria do XTR Di2

Além disso, os três grandes fabricantes de bicicleta já contam com versões eletrônicas de seus trocadores, que realizam trocas de marcha com um simples apertar de botão. A Shimano ainda é a única que conta com trocadores eletrônicos tanto para Speed quanto para MTB. Tanto Campagnolo quanto Sram possuem somente grupos com esta tecnologia para a estrada.

OBS:
Existe um passador especial da Shimano, chamado Dual-Control. Não foi citado no grupo principal, pois é usado apenas pela Shimano e não se tornou popular. O sistema permite a mudança de marchar ao se empurrar para cima ou para baixo a alavanca de freio (manete).

Câmbios Traseiros

Os câmbios traseiros são também conhecidos por alguns como "macaquinho". É um sistema em paralelogramo preso por uma mola e um braço também com uma mola. Sua função é tensionar e alinhar a corrente para que se mova entre as engrenagens do cassete.

imagem
Câmbios traseiro de estrada e MTB

O que diferencia um bom câmbio de um ruim é a qualidade dos materiais e peso. Alguns tem peças de plástico, enquanto outros usam alumínio e até fibra de carbono.

Outra diferença entre câmbios é o tamanho do braço. Existem os três tamanhos: short, medium e long cage. Cada um deles serve para diferentes tamanhos de coroas e cassetes. Via de regra, quanto maior for a variação de tamanhos entre coroas e pinhões do cassette, maior será o cage do câmbio, já que ele deverá acomodar uma maior gama de dentes.


Câmbios dianteiros

Os câmbios dianteiros possuem um mecanismo bem simples: uma haste de metal é movida para esquerda ou direito, empurrando a corrente para uma das duas ou das três coroas. Fica montado ao redor do tubo de selin e pode ter mais de um diâmetro. Ainda existem uns modelos especiais que se encaixam no movimento central do quadro, por não caber ou não ter angulo no tubo do selim.

imagem
Um câmbio dianteiro de estrada

OBS: As principais marcas no mountain biking, Shimano e SRAM, possuem padrões diferentes de passadores e câmbios. Esses sistemas não são intercambiáveis, portanto passador de uma marca só funciona com câmbio da mesma marca.


Fotos (6)

foto 0 -  foto 1 -  foto 2 -  Mais Fotos

Comentários

  • avatar

    mdeal   

    mdeal   

    ola amigos do pedal tenho uma bike aro 26 meu passador e da linha shimano altus tanto como o dianteiro como traseio pra mi são muito bom e recomendo.
    5 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    Felixcts   

    Felixcts   

    Ralf, é assim mesmo. É pq o primeiro click é apenas para posicionar, é uma estratégia para ter mais eficiência na troca de marchas, mantendo uma boa rotação sem precisar deslocar muito a alavanca STI.
    9 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    Cebo    São Paulo - SP

    Cebo    São Paulo - SP

    Deve estar desregulado. Provavelmente é um passador com capacidade para três coroas operando apenas duas. Neste caso é legal levar em uma loja de confiança para regular.

    12 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    Ralf   

    Ralf   

    Ola. Comprei uma road com cambio sora . No passador dianteiro preciso pressionar duas vezes para subir a marcha e também duas vezes para descer. Não sei se está mal regulado ou é assim mesmo.
    12 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    Pedro Cury    Rio de Janeiro - RJ

    Pedro Cury    Rio de Janeiro - RJ

    Sawyer, em geral sim, desde que seja o mesmo número de marchas também. Até tem como usar um passador de mais ou menos marchas, perdendo uma marcha ou ficando com um click fantasma, não é o ideal, é gambiarra e aí é preciso analisar caso a caso.
    1 ano atrás - Denunciar


  • avatar

    Sawyer    Jundiaí - SP

    Sawyer    Jundiaí - SP

    Passador de uma marca só funciona com câmbio da mesma marca, Porem o modelo pode ser diferente? Exemplo:. Cambio traseiro Shimano Alivio, Dianteiro Shimano Tourney
    1 ano atrás - Denunciar




  • Relacionados