MENU

Venda de bicicletas no Brasil recua 15% em 2023

Faturamento das lojas teve queda de 7% no mesmo período; levantamento da Aliança Bike ouviu centenas de lojistas de todo país

Release de imprensa
Como já era esperado, o mercado brasileiro de bicicletas vive um momento desafiador nos últimos dois anos. Em levantamento realizado pela Aliança Bike (Associação Brasileira do Setor de Bicicletas) com centenas de lojistas de todo o país, os números apontam para uma queda de 15% na quantidade de bicicletas vendidas em 2023 – em relação ao ano anterior.

Vendas no país caem 15% em 2023 - Foto: Pixabay
Vendas no país caem 15% em 2023 - Foto: Pixabay


Nesta mesma pesquisa, houve uma retração de 7% no faturamento das lojas em comparação com 2022. Esta diferença de uma queda maior no número de bicicletas vendidas em relação ao faturamento se explica pelo aumento na demanda de serviços e no consumo de bicicletas de maior valor agregado, como as elétricas, por exemplo.

É importante considerar que as vendas de bicicletas no Brasil tiveram números recordes no biênio 2020-2021, quando chegou a 6 milhões de unidades. Nos dois últimos anos, o cenário foi desafiador, com diversos contratempos em relação ao estoque e queda na demanda.

Publicidade


Confira abaixo a estimativa dos últimos anos em números absolutos.

Estimativas de vendas no comércio varejista de bicicletas nos últimos anos*
2018: 4 milhões de unidades
2019: 4 milhões de unidades
2020: 6 milhões de unidades
2021: 5,8 milhões de unidades
2022: 3,77 milhões de unidades
2023: 3,20 milhões de unidades

*Baseado no monitoramento da Aliança Bike com lojistas e nos dados de produção, montagem e importação de bicicletas e componentes. A estimativa contempla bicicletas novas e usadas.

O recuo nas vendas em 2023 se deu principalmente nas chamadas bicicletas "de entrada" (de R$ 800,00 a R$ 2.000,00) e no primeiro segmento das intermediárias (entre R$ 2.000,00 e R$ 4.000,00). Não por coincidência, esta foi a faixa de magrelas que mais teve aumento nas vendas nos anos de 2020 e 2021.

“Os últimos dois anos foram de muitas dificuldades e reflexões para o nosso setor. A queda em 2023 é uma realidade, mas foi menor do que aconteceu de 2021 para 2022. A análise que fazemos é de que a tendência é que 2024 seja um ano melhor do que foi o ano passado, que possa ser o início de uma reversão neste cenário”, explica Rodrigo Coelho, presidente do Conselho Deliberativo da Aliança Bike.

Expectativas para a economia e para o faturamento das lojas em 2024
No levantamento da Aliança Bike, os lojistas também foram perguntados sobre a situação econômica do Brasil e as expectativas para 2024 considerando a realidade da própria loja. Sobre a situação econômica do Brasil, 46,1% dos lojistas estão pessimistas, acreditando que a economia deve piorar. Já 25,5% acreditam que a economia vai melhorar e 28,4% acreditam que a economia ficará na mesma.

Quando questionados sobre a expectativa para a situação financeira da própria loja, lojistas se mostraram mais otimistas: 47,1% acreditam que a situação financeira da loja irá melhorar, enquanto 20,6% acreditam que irá piorar. E, para 32,4%, a expectativa é que a situação financeira em 2024 permaneça igual.

Como parte do cenário nacional, o mercado de bicicletas pode ser ainda melhor em caso de melhora na conjuntura econômica do Brasil.

A visão para o mercado em 2024
A expectativa da associação não é, necessariamente, de um ano extremamente positivo, mas de recuperação econômica no setor de bicicletas e reversão da curva - de decrescente para ascendente. Um dos indicativos é que a queda em 2023 foi menor do que a observada em 2022 e que o faturamento das lojas recuou menos do que o volume de bicicletas vendidas. Isso revela a resiliência do setor e uma base maior de ciclistas consumindo serviços, acessórios e equipamentos.

No entendimento da Aliança Bike, os números de 2020 e 2021 tiveram um crescimento fora da curva, não só no Brasil.

“Considerando um certo padrão de consumo, podemos dizer que muitas pessoas compraram bicicletas novas pela válvula de escape de pandemia ou anteciparam a compra ou troca da bicicleta, no caso de ciclistas contumazes”, afirma Daniel Guth, diretor executivo da Aliança Bike. Este fato acabou gerando alguns desafios – especialmente em relação à capacidade de oferta e gestão dos estoques tanto durante quanto após a pandemia. E, aos poucos, o mercado nacional vem se regulando para patamares que sejam mais sustentáveis em toda a cadeia.

“Estes desafios em relação aos estoques ainda existem. Mas podemos vislumbrar um segundo semestre melhor do que o primeiro, o que nos levará a um 2024 melhor do que o ano passado”, afirma Rodrigo Coelho.


Relacionados

Comentários

Outras notícias

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando você concorda com a nossa política de privacidade.