home

Tour de France e outras importantes provas estão fora do calendário UCI 2017

Vuelta a España, Paris-Nice, Paris-Roubaix, Flèche Wallonne, Liège-Bastogne-Liège e Critérium du Dauphiné também saíram do calendário


18 DEZ, 2015     Gustavo Figueiredo    
     


Uma notícia bombástica movimentou o mundo do ciclismo nesta sexta-feira e promete continuar causando muita dor de cabeça em atletas e equipes ao menos até o fim de 2017. Hoje, em uma decisão polêmica, a A.S.O. (organizadora de grandes competições do ciclismo) retirou não só o Tour de France mas também todas as suas provas do calendário UCI. Isso quer dizer que, a partir de agora, ela será a única responsável por convidar as equipes que irão participar, acabando com o convite automático para as equipes WorldTour UCI.

imagem
Foto: A.S.O. / Divulgaão


Este é o mais recente movimento de uma grande luta que envolve UCI, A.S.O, equipes e organizadores de provas na tentativa de modificar o modelo de negócio do ciclismo, trazendo mais estabilidade ao esporte. No início da semana, o milionário russo Oleg Tinkov anunciou sua saída do esporte justamente por não conseguir levar estas mudanças à um patamar mais avançado, o que permitiria mais estabilidade financeira para as equipes.

O movimento da A.S.O aconteceu depois que a UCI aprovou, depois de um debate de 2 anos com as principais equipes e organizadores do esporte, um pacote de mudanças no WorldTour. Segundo a entidade, o objetivo das mudanças foram aumentar a credibilidade do esporte, aumentar sua globalização, a interação com fans e reforçar a estrutura.

Porém, a A.S.O. tem uma visão bastante diferente do assunto "A Amaury Sport Organisation informou a Union Cycliste Internationale (UCI) que, a partir de 2017, registrará suas provas no calendário Hors Classe", disse a A.S.O em nota a imprensa.

"Mais do que isso, a A.S.O. se mantém fiel ao modelo europeu e não pode abrir mão dos valores que eles representam. Um sistema aberto que premia, em primeiro lugar, o lado esportivo".

O que muda ?

Para os torcedores, o que se esperar é a continuidade do modelo atrasado de transmissão das provas da A.S.O. Enquanto outras corridas no mundo como o Tour da Califórnia tem excelentes ferramentas de transmissão mundial pela internet, o Tour ainda segue com sua política de transmissão pela TV, tirando ativamemente links piratas do ar - mesmo que este link esteja transmitindo a prova para um lugar sem transmissão oficial.

Para as equipes e patrocinadores, porém, o problema é muito mais grave. Sem o convite automático, o trabalho de planejamento da temporada fica bastante comprometido, já que fica a critério do organizador convidar ou não uma equipe para correr.

O sistema WorldTour é baseado na premissa de "equipes de ponta em corridas de ponta" e cria uma ferramenta de estabilidade no esporte, já que o patrocinador sabe que sua marca aparecerá em eventos importantes. A A.S.O, porém, já foi acusada no passado de prejudicar esta estabilidade em prol de seus interesses, impedindo a equipe Unibet de participar em seus eventos, o que eventualmente levou o time a falência.

Provavelmente, os grandes times não terão problemas em conseguir participar das provas. Porém, times menores podem encontrar problemas de participação, o que obviamente complica muito o trabalho de conquistar patrocinadores. Afinal, se uma empresa está gastando dinheiro, ela tem que ter certeza que sua marca vai aparecer.

Certamente, esta luta ainda está longe de terminar e é de se esperar uma reação bastante enérgica da UCI ainda nos próximos dias.


Comentários



Relacionados