home

Teste - Sense Prologue Disc 2019

Uma bike de endurance com alma de fibra de carbono e freios a disco para quem quer ir mais longe sem ir mais devagar


15 ABR, 2019     Gustavo Figueiredo     5    
     


A Sense Prologue Disc 2019 é uma bicicleta de estrada com quadro de fibra de carbono e componentes de gama intermediária - como o nome diz, o modelo é equipado com freios a disco. Assim como acontece com outras bikes de carbono da Sense, o quadro da Prologue utiliza um molde exclusivo e projeto desenvolvido pela Swift Carbon, empresa de origem sul-africana recentemente comprada pela nacional Sense Bike. A bike ainda possui uma versão com freios convencionais chamada Prologue, sem o sufixo Disc no nome.

Foto 71382
   Pedro Cury

Segundo o fabricante, trata-se de um modelo de Endurance com um pé no desempenho. No teste a seguir, você conhece todos os detalhes desta estradeira com alma para pedais longos que pertence a linha de bicicletas de estrada Sense 2019.

Ficha Técnica

Quadro: Sense Full Carbon Toray T700 / Tapered / Eixo E-thru 12x142mm
Garfo: Sense Full Carbon 1.1/8 1.1/5
Caixa de direção: FSA Orbit
Guidão: Ritchey Comp Evo 31.8 400mm
Mesa: Ritchey Comp Evo 31.8
Canote: Ritchey Comp 27.2 350mm
Abraçadeira: Sense 31.8
Selim: Selly Royal Asphalt
Trocadores: Shimano R7020
Freios: Shimano BR-R7070
Discos: Shimano RT 800 - 160 D/ 140 T
Câmbio dianteiro: Shimano FD-5800
Câmbio traseiro: Shimano R7000
Central: Shimano BR-RS500 Press Fit
Pedivela: Shimano R7000 50 X 34
Corrente: HG601
Cassete: Shimano R7000 28 X 11
Roda dianteira: Dt Swiss P1800 12 X 100mm
Roda traseira: DT Swiss P1800 12 X 142mm
Pneus: Schwalbe Durano Race Guard
Peso divulgado: 8.6 kg
Preço sugerido: R$12.990,00

Impressões iniciais

A Sense Prologue Disc segue um belo padrão de pintura cinza escuro com detalhes amarelo neon na frente da bike, abaixo do tubo superior e no selim. Ao vivo, o brilho e o acabamento esmerado chamam a atenção e, em muitos lugares diferentes, escutamos comentários positivos sobre a aparência da bike.

Foto 71387
   Pedro Cury

O modelo conta com cabeamento interno total, inclusive para as mangueiras de ambos os freios. Tanto na dianteira quanto na traseira os eixos são passantes de 12mm, com espaçamento dianteiro de 100mm e traseiro de 142mm. A caixa de direção é cônica e o movimento central é press-fit.

Um detalhe que agradou é que o quadro não é muito sloping, com o tubo superior e o do selim em uma proporção que agrada os olhos de quem prefere as estradeiras mais tradicionais. Além disso, existe uma porta embaixo do movimento central que facilita a passagem dos cabos e da mangueira do freio traseiro.

Foto 71389
   Pedro Cury
Foto 71390
   Pedro Cury

O quadro da bike é construído ao redor de um molde exclusivo da Swift Carbon com fibras Toray T700/800 com resina impregnada com nanotubos de carbono. Segundo o fabricante, esta medida amplia a resistência do quadro em até 30%. Além disso, a traseira utiliza tecnologia Flex Stays, que permite a flexão vertical do triângulo traseiro para aumentar o conforto.

Componentes

A Prologue Disc 2019 é montada com um pacote de componentes intermediários com boa eficiência, pertencentes em sua grande maioria à linha Shimano 105 R7000 com 22 velocidades. Os freios hidráulicos BR-R7070 trabalham em conjunto com trocadores STI R7020 para morder discos Shimano Ice Tech de 160mm na dianteira e 140mm na traseira - o padrão para bikes de estrada.

Foto 71395
   Pedro Cury

A bike vem com uma pedivela Shimano 105 com coroas 50/34 e cassete de 11 velocidades 11/28. O movimento central também é Shimano, montado no quadro pelo padrão press fit. Componentes como mesa, guidão e canote são da linha Ritchey Comp e Evo, com um selim Selle Royal Asphalt.

Foto 71388
   Pedro Cury
Foto 71396
   Pedro Cury

A rodagem fica por conta dos pneus Schwalbe Durano Raceguard de 25mm montados sobre as belas rodas DT Swiss P1800 Spline com aros de 32mm de altura, perfil aerodinâmico e compatibilidade com montagens tubeless.

Pesos

A bicicleta foi praticamente toda desmontada na oficina especializada H.Bike, localizada na Zona Sul de São Paulo. O quadro foi pesado apenas com o movimento central e, para evitar processos muito complexos, o guidão não foi desmontado.

Foto 71400

Totais

Total Divulgado: 8.6Kg
Total Aferido: 8.59g

Rodas

Roda traseira com fita de aro: 935g
Roda dianteira com fita de aro: 815g
Eixo dianteiro: 75g
Eixo traseiro: 75g
Pneus: 335g
Disco 160: 125g
Disco 140: 96g

Componentes

Quadro com central: 1290g
Garfo: 440g
Selim: 300g
Pinça de freio: 145g
Mesa: 130g
Caixa: 120g
Canote: 290g
Selim: 305g

Transmissão

Cassete: 270g
Pedivela: 715g
Câmbio traseiro: 220
Câmbio dianteiro: 95g
Corrente: 245g

Geometria

A tabela de geometria da Prologue Disc representa graficamente boa parte de sua personalidade. No papel, o modelo é tão curto quanto qualquer outra estradeira de endurance, mas o Stack - valor que representa a diferença entre a altura do movimento central e o topo da caixa de direção - é um pouco mais baixo, significando que é possível encontrar uma posição bem baixa no guidão, algo que foi percebido durante o teste.

Foto 71401

Quando comparada com outras bikes de endurance, a Prologue tem a traseira um pouco mais curta. Com isso, o modelo em teoria ganha na agilidade.

O Teste

Ao longo de dois meses, realizamos diferentes pedais com a bicicleta, encarando subidas e descidas de todos os tipos em diferentes condições de asfalto. Involuntariamente, pegamos até um pequeno trecho de terra batida em um dos pedais. A bike foi testada também em rodovias, estradas vicinais e na chuva.

Descendo

A Prologue Disc 2019 é uma bicicleta bastante sólida e bem construída. Por isso, mesmo em descidas com o asfalto ruim, o modelo segue bem a linha sem nenhum tipo de trepidação ou flexões estranhas. Certamente, parte dessa sensação vem dos eixos passantes em ambas as extremidades e da espiga cônica do garfo, o que também garante uma boa estabilidade direcional para a Prologue.

Foto 71380
   Pedro Cury

No geral, a bike tem um comportamento bastante condizente com sua proposta de Endurance com desempenho, significando que ela tem um temperamento tranquilo nas tomadas de curva, seguindo bem a linha escolhida mesmo quando a velocidade está quase no limite.

Dito isto, é preciso dizer que a Prologue não é uma bicicleta de corrida e que isso pode ser percebido em pilotagens super agressivas. Quando a tomada da curva é feita absolutamente no limite, sentimos que a frente demora um pouco para apontar para a tangente, principalmente em curvas mais apertadas. Isso não quer dizer que ela seja lenta ou ruim em curvas, só que ela prefere tocadas "esportivas", mas não necessariamente competitivas no sentido "Peter Sagan atacando na descida" da palavra.

Subindo

Com peso aferido de 8.59kg, a Prologue Disc não é uma bicicleta super leve - seu peso condiz com outras bikes com montagens semelhantes. Com isso, seu desempenho nas subidas não é espetacular. Contudo, o conjunto mostrou-se rígido o suficiente para pedalar em pé sem torções mesmo em trechos mais inclinados - segundo o fabricante, a presença dos eixos passantes aumentam a rigidez do conjunto em até 20% quando comparado à versão com blocagens convencionais.

Foto 71381
   Pedro Cury

Trata-se de uma bike que vai bem em falsos planos e subidas menos inclinadas, mas que tem marchas leves o suficiente para encarar rampas de inclinação maior. Um detalhe curioso é que, graças ao tubo superior bastante curto, nosso piloto precisou readaptar sua pedalada em pé, já que em algumas ocasiões o joelho bateu no guidão ao levantar rapidamente para acelerar morro acima.

Vale destacar que, na subida ou no plano, a Prologue acelera bem mas não apresenta aquele "pulo" característico das bikes com um foco maior no desempenho. Mais uma vez, ela não é lenta, mas também não demostra aquela aceleração tipo puro sangue - até pela faixa de preço e peso dos componentes.

Pedais longos

Como uma boa bike de Endurance, a Sense Prologue Disc possui a dianteira relativamente curta. Apesar da caixa bastante alta, não nos sentimos sentimos uma uma posição exageradamente "confort". A bem da verdade, é possível pedalar nela com o tronco mais ereto ou em uma posição mais agressiva, sendo a combinação entre geometria e componentes um dos segredos para isso.

A Prologue Disc possui apenas 374mm de alcance no tamanho testado. Apesar disso, a soma da mesa de 100mm, do guidão e dos trocadores acabam alongando bem a posição de pedalada. Com isso, existe uma boa diferença entre pedalar com as mãos na parte reta do guidão ou sobre os STIs.

Foto 71379
   Pedro Cury

O detalhe que mais agradou foi a sensação de rodagem confortável e sólida da Prologue Disc. No geral, o conjunto quadro e pneus absorve as irregularidades do terreno com primazia, proporcionando pedais confortáveis e rápidos. Ao mesmo tempo, toda a potência do ciclista é transmitida, com a bike passando uma curiosa sensação de robustez.

Apesar de ser difícil verificar este quesito, a bike nos deixou a impressão de possuir um bom passo, com a velocidade sendo mantida de forma eficiente. Com isso, aquele pedal em lugares mais planos ou com falsos planos torna-se particularmente agradável.

O único ponto negativo em nossa opinião é o selim. Apesar de ser gosto pessoal, sentimos a espuma do Selle Royale um pouco mole demais, o que passou a incomodar em pedaladas mais longas - a impressão é que o peso acabava ficando apoiado não só nos ísquios, mas também em partes mais macias do corpo.

Freios

Não existe a menor dúvida que os sistemas de freio a disco com acionamento hidráulico funcionam muito melhor do que um freio ferradura. Durante nosso teste, ficamos satisfeitos com a potência e a com a modulação do conjunto Shimano 105. Além disso, pegamos descidas bastante inclinadas e tentamos, em vão, superaquecer o sistema - em algumas ocasiões, descemos segurando apenas o freio traseiro só para ver se ele entrava em ebulição.

Foto 71384
   Pedro Cury

O sistema é composto por belas pinças fixadas no limpo padrão direct mount, com discos de 160mm na frente e 140mm atrás, ambos com tecnologia Ice-Tech da Shimano. Aqui vai um detalhe que merece destaque: apesar dos freios serem 105, os rotores são Ultegra - a diferença fica justamente pela tecnologia de dissipação de calor presente apenas no modelo mais avançado.

A bike que nós testamos veio equipada com pastilhas Ice-Tech com dissipador de calor, o que não acontece com as vendidas ao público - acreditamos que isso não deve fazer uma diferença super gritante no desempenho de frenagem mas pode afetar a resistência ao super-aquecimento.

Foto 71392
   Pedro Cury

Vale destacar que, em caso de manutenção, o sistema hidráulico ainda é um pouco mais complexo do que simples ferraduras com cabos. Se parar para pensar, até uma tarefa simples como retirar o garfo fica mais complicada quando uma mangueira cheia de óleo passa por dentro dele. Também sentimos falta da regulagem de alcance nos manetes - as mãos do nosso piloto de testes é tamanho médio e teríamos deixado as alavancas alguns milímetros mais longe.

Transmissão

O sistema 105 R7000 possui um funcionamento impecável, com as trocas de marcha acontecendo de forma bastante intuitiva para quem está acostumado com os grupos Shimano. O câmbio dianteiro merece um destaque especial, já que as trocas para baixo e para cima acontecem com facilidade e velocidade mesmo quando estamos fazendo força - infelizmente, ele é mais chatinho para montar e desmontar.

Foto 71383
   Pedro Cury

A relação de marcha é a tradicional compact, com coroas 50/34 e cassete 11/28 de 11 velocidades, uma combinação que agrada em uma ampla gama de terrenos, casando muito bem com a proposta de endurance da Prologue Disc.

O curso da alavanca dos trocadores não é nem super longo e nem super curto e, via de regra, não sentimos nenhuma dificuldade para cambiar. Apensar disso, o formato dos manetes hidráulicos é um pouco estranho. Para acomodar o cilindro mestre, o componente acaba sendo meio grande, quadradão e está longe de ser o STI mais ergonômico do mundo.

Rodas e pneus

Além dos freios a disco, uma das maiores diferenças entre a Prologue e a Prologue Disc está justamente nas rodas. A versão com freios ferradura vem montada com rodas Shimano RS330, enquanto a versão com disco utiliza as belas DT Swiss P1800 Spline 32 - uma roda de alumínio multifunção com boa combinação entre peso, aerodinâmica e conforto.

Foto 71385
   Pedro Cury

Os aros da Spline possuem 32mm de altura, desenho aerodinâmico e largura interna de 18mm. Por serem específicos para freios a disco, não existe pista de frenagem. A melhor parte é que tratam-se de aros compatíveis com montagens tubeless - carta na manga para quem deseja uma rodagem ainda mais rápida e suave.

Ambos os cubos utilizam eixos passantes de 12mm e tem 24 furos, com os raios Straight-pull DT Swiss aerodinâmicos com dois cruzamentos. O peso divulgado para o conjunto é de 1821g - não são rodas super leves, mas aparentemente são bem resistentes e rodam muito bem. Tanto na chuva quanto no seco, felizmente não tivemos problemas com a aderência dos pneus.

Os pneus Schwalbe Durano de 25mm de largura casam com os aros e, durante o teste, sofremos apenas um furo causado pelos insuperáveis "araminhos de pneu de caminhão". O modelo é equipado com a tecnologia RaceGuard de proteção e possui uma excelente durabilidade, sendo um pneu indicado para treinos e uso intenso em treinos e longos.

O conjunto em si funciona muito bem, mas ficamos muito curiosos para saber como esta bike ficaria com pneus um pouco mais gordos de 28mm. Julgando pela personalidade e pelo conforto de rodagem, certamente colocaríamos pneus maiores quando os originais se desgastassem.

Pros

- Construção do quadro
- Rodas DT Swiss
- Freios Shimano 105 com discos Ultegra

Contras

- Selim mole demais
- Ergonomia do trocador

Conclusão

A Prologue Disc 2019 atende bem a proposta de bike de ser uma endurance que não abre mão da velocidade. Durante o teste, nos sentimos a vontade tanto para andar rápido quando para passear, embora as tocadas super agressivas não sejam exatamente a praia da bike. Sua rodagem é bastante confortável e passa uma agradável sensação de solidez.

Foto 71378
   Pedro Cury

Ela custa cerca de 2 mil reais a mais do que a versão com freios ferradura, o que pode ser um impeditivo para algumas pessoas. Vale destacar que conjunto geral da versão com disco é superior não só pelos freios mas também pelas rodas. Por isso, se você encara muitas descidas, pedala na chuva e não abre mão da segurança adicional, vale a pena investir um pouco mais e pegar a versão Disc.

Piloto e avaliador: Gustavo Figueiredo - Strava

Vestuário: Camisa ASW Active Caleido 19, Bretelle ASW Active Caleido 19, Sapatilha Bontrager Velocis, Capacete Lazer Magma, Meias Stance Shoping Bourbon São Paulo.

Para saber mais sobre a bike, acesse a página da Prologue Disc no site oficial da Sense Bike.


Comentários

  • avatar

    Mozart    

    Mozart    

    E so colocar uma mesa maior que ela fica racing, tenho uma prilogue, melhor que a maioiria das bikes de marcas premium
    4 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    helder.lopes    Ibaté - SP

    helder.lopes    Ibaté - SP

    A sense poderia trocar as pesadas rodas WH-RS330 da versao nao disco da Prologue por umas rodas melhores de mesmo valor... Um exemplo e a nova WH-RS300 da propria Shimano. Largura 17C, bem mais leves que a 330 e Tubeless Ready. Alem disso, o 105 R7000 short cage ja aceita cassete 11-30 o que cairia muito bem numa endurance!
    4 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    Alexandre   

    Alexandre   

    basta uma pesquisa rápida no google pra entender que o problema da sense é o péssimo pós venda... muitos relatos de trinca na ponta do seat tube da prologue e a assistência é terrível... desisti da sense por isso

    4 mes(es) atrás - Denunciar




  • Relacionados