home

Teste - Mochila de hidratação Thule Vital 6

Testamos a Thule Vital 6 em diversas situações, inclusive em provas de maratona e em uma viagem de 10 dias na Suíça


30 OUT, 2018     Gustavo Figueiredo    
     


A Thule, fabricante sueco de equipamentos esportivos mais conhecida por seus bagageiros, iniciou sua produção e venda de mochilas de hidratação com a série Vital, que conta com modelos de 3, 6 e 8 litros de capacidade de carga. Ao longo de dois meses, pudemos testar a Vital 6, modelo que conta com algumas características bem distintas, contando com uma construção que concentra o peso em uma parte mais baixa, melhorando seu conforto e estabilidade.

Foto 69803
Dez dias na Suíça de Vital 6   Pedro Cury

Ficha Técnica

Dimensões 22 x 9 x 44.5cm
Volume 6L
Peso divulgado: 0.52kg
Capacidade do reservatório: 2.5L
Materiais: Nylon
Preço sugerido: R$ 849

Características

Com seis litros da capacidade total de carga, a Thule Vital 6 agradou por sua qualidade construtiva e por suas diversas soluções inteligentes. O sistema de água ReTrak logo de cara chama a atenção por seu uso bastante simples - com ela, basta soltar a mangueira para que ela fique presa à alça por um par de imãs potentes e flexíveis.

O tecido, segundo explicou o pessoal da marca, possui tecnologia Rip-Stop, sendo capaz de frear rasgos com uma trama quadriculada. Em caso de rasgos, os "quadradinhos" reforçados evitam que o dano se propague. A parte de baixo é feita com um tecido de nylon que aparenta boa resistência.

Foto 69818
Organização interna
Foto 69814
Bolso acolchoado

No interior da Vital 6, encontram-se vários compartimentos de armazenamento com alças para prender duas bombas, dois bolsos telados abertos e um bolso telado com ziper. Na parte superior do lado de fora, ela ainda conta com um bolso recoberto por tecido que tem fácil acesso e protege melhor equipamentos delicados como celulares e câmeras.

A mochila é bastante ventilada, com as alças, barrigueiras e costas feitas com um tecido telado recheado com uma camada de espuma com recortes que permitem a passagem do ar. Nas costas, uma camada de espuma protege o ciclistas e ainda serve para isolar o reservatório de água contra o calor gerado pelo atleta.

Foto 69821
Tecido RipStop

O modelo vem equipado trava peitoral e alças com altura ajustáveis, além da barrigueira também ajustável com um bolso de cada lado. Os bolsos possuem um "lábio" na parte de cima, evitando que os objetos caiam durante a pedalada.

O reservatório de água é feito pela Hydrapak e possui 2.5L de capacidade. O sistema de abertura aposta em uma trava deslizante Como era de se esperar, a mangueira e a válvula também são feitas pela Hydrapak. Um dos detalhes é que os componentes são feitos com TPU, sendo livres de Bisfenol A e de PVC - compostos que podem ser perigosos para a saúde humana.

O teste

As mochilas foram testadas em treinos, competições e uma viagem de 10 dias para a Suíça onde carregar uma grande quantidade de equipamentos pesados foi necessário e na etapa final do GP Ravelli 2018 em Espirito Santo do Pinhal. No geral, ela agradou por sua leveza, ventilação e excelente ergonomia.

Conforto

Em provas e pedais longos, a Vital 6 mostrou-se eficiente. Seu desenho coloca o peso na parte de baixo do corpo, apoiando o peso mais sobre a lombar e o quadril e não nos ombros e no meio das costas como mochilas com desenho tradicional. Porém, esta característica pode trazer uma fraqueza para alguns ciclistas, principalmente aqueles que sentem dores lombares em pedais mais intensos.

Foto 69810
Costas com espuma ventilada
Foto 69813
Peitoral ajustável

A grande verdade é que qualquer mochila vai acabar gerando algum desconforto em seus pontos de apoio. A diferença é que a Thule transportou o peso do equipamento para a parte de baixo das costas, contando ainda com o suporte das alças e das barrigueiras para dividir a massa entre os ombros e a pélvis do ciclista.

Por isso, em uma prova mais longa e já com a lombar exausta, sentimos um desconforto a mais na região. Se fosse uma mochila "convencional", o mesmo desconforto seria aplicado aos ombros e no meio das costas, então trata-se de uma questão "onde vai doer menos e te incomodar menos" - para nós, a solução da Thule parece melhor, até porque a camada de espuma ajuda a distribuir o peso de forma ainda mais eficiente.

Curiosamente, o mesmo efeito não foi percebido em pedais menos competitivos, mesmo que a carga total fosse maior. Isso acontece por diferenças na postura sobre a bike e pelo simples fato de que, durante uma viagem, as paradas são maiores e mais frequentes, além do ritmo ser muito menos intenso. De uma forma ou de outra, a ergonomia nos pareceu muito boa, com a mochila encaixando-se ao piloto.

Ventilação - Um dos pontos altos da Vital 6 é a ventilação. Com ela, enfrentamos situações de calor realmente absurdo, com temperaturas acima de 31 graus em uma competição realizada em clima totalmente abafado e sem nenhum vento - teste maior do que esse não existe. Nesta condição, o simples fato de você não querer tirar a mochila das costas já é algo impressionante.

Foto 69820
Camada de espuma e tecido ventilado
Foto 69811
Ventilação até nos bolsos

Ajustabilidade


A faixa que passa pela cintura é estreita e pode ser facilmente regulada até mesmo durante o pedal. O mesmo vale para a faixa peitoral que pode ter o aperto e a altura regulada em 4 diferentes posições - uma operação simples em um sistema que parece mais confiável do que os reguladores deslizantes de outras mochilas.

Foto 69812
Peitoral ajustável

O ponto negativo fica por conta do excesso de faixa que não pode ser preso de forma eficiente em lugar nenhum, já que elas acabam escapando dos laços de retenção - neste caso, a única solução real é "cortar e cauterizar" o excesso.

Reservatório, mangueira e válvula


Com 2.5 litros de capacidade, o reservatório de água da Vital 6 aposta em um sistema de fechamento com fecho deslizante. A grande vantagem é poder abrir totalmente a parte de cima dele, facilitando a colocação de água e gelo. Além disso, a limpeza é simplificada, já que dá para colocar a mão inteira dentro dele. O volume do reservatório agradou bastante, possibilitando realizar provas e pedais bem longos apenas com o abastecimento inicial.

Foto 69817
Válvula eficiente
Foto 69804
Sem gotejamento

O mecanismo, porém, não é perfeito. Mesmo com as instruções claramente escritas, as vezes ele enrosca na hora de fechar sem motivo aparente. Apesar de não ser um grande problema em pedais cotidianos, isso pode custar um precioso tempo durante uma parada rápida para reabastecimento durante uma competição.

A válvula da Thule Vital 6 agradou, provendo um bom fluxo de água e nenhum gotejamento. Apesar de possuir posições de aberto e fechado, simplesmente mantivemos o sistema na posição aberta o tempo todo e nunca tivemos problemas de vazamentos.

Foto 69805
Trava do reservatório

A mangueira tem o comprimento correto, ficando na altura ideal para pegar com a mão. O ponto alto com certeza é o sistema de retenção magnético ReTrak, que permite pegar a mangueira com um simples movimento. Depois de beber, basta abrir a boca e, em boa parte das vezes, ela simplesmente volta a sua posição original - com certeza uma melhora gigantesca se comparada a sistemas com travas convencionais.

Um detalhe que agradou em cheio foi o fato do reservatório secar facilmente. Graças à seu desenho e material, descobrimos que basta pendurar a bolsa de cabeça para baixo depois da limpeza para que ela seque rapidamente. Com isso, fica bem mais fácil evitar que o limo surja no interior do reservatório.

Bolsos laterais


Por ficar mais baixa nas costas, a Vital 6 cobre os bolsos das camisas de ciclismo. Por isso, seus bolsos integrados à barrigueira são fundamentais, principalmente durante treinos e competições onde não é possível parar para pegar alimentos. Mas, por ter apenas 2 bolsos, você acaba perdendo um pouco no quesito "organização em movimento".

Foto 69815
Cuidado com o celular
Foto 69808
Lábio de segurança

Durante uma prova longa ou treino, é comum carregar barras, gel e alguma ferramenta ou celular em dois bolsos da camisa, ficando o terceiro como lixo para embalagens que NÃO DEVEM SER DESCARTADAS NA TRILHA. Durante nosso uso, percebemos que até é possível enfiar a mão por trás da mochila para guardar o lixo, mas a tarefa é mais complicada do que parece, principalmente se você estiver com luvas full finger e com a barrigueira apertada. Além disso, os bolsos possuem um formato recortado e objetos grandes como celulares devem ficar bem encaixados no "lábio" para não caírem - descobrimos isso da pior maneira possível.

Outro detalhe é que, com um bolso a menos, você precisa carregar suas ferramentas básicas na mochila, criando uma maior perda de tempo para fazer pequenos reparos ou reapertos rápidos. No geral, porém, conseguimos nos acertar bem com os bolsos, bastando um tempo de adaptação de procedimentos e uma reorganização mental.

Estabilidade

Certamente um dos pontos mais altos da mochila, a estabilidade agradou bastante. O centro de gravidade mais baixo ajuda a evitar balanços, com as tiras de retenção peitoral e abdominal abraçando muito bem o corpo do ciclista. Com ela, não tivemos nenhum problema durante as descidas mais duras e esburacas.

Foto 69807
Desenho baixo

Muito mais do que faixas, essa estabilidade do conjunto certamente deve-se à ergonomia bem acertada e ao excelente encaixe da mochila nas costas do ciclista. Com certeza trata-se de uma boa para quem deseja encarar terrenos e pedais mais técnicos como praticantes de enduro.

Pros

-Estabilidade
-Conforto
-Ventilação

Contras

-Você perde um bolso
-Fechamento do reservatório pode enroscar

Conclusão

Apesar de ser a primeira experiência da Thule com mochilas de hidratação, a Vital 6 agradou na maioria das situações. Ventilação, ergonomia e estabilidade são os pontos altos. Todavia, o mesmo centro de gravidade baixo que proporciona mais controle para o conjunto também acaba eliminando um bolso.

Foto 69822
Thule Vital 6

Apesar de não ser um problema para uso recreacional ou mesmo pedais de all-mountain e enduro, isso pode gerar alguma dificuldade para praticantes de maratonas - algo que exige um período de adaptação. Todavia, superada esta dificuldade, o modelo pode ser um grande aliado para aquele dia de forte calor onde você vai passar várias horas sobre a bike, principalmente graças ao grande reservatório e ao conforto da mochila.

Além da Vilta 6, a Thule ainda possui a Vital 3 e a Vital 8, sendo a primeira indicada para pedais mais rápidos ou competições e a última para longas jornadas. Além disso, a Vital 3 possui uma construção mais minimalista e racing - sem alguns forramentos de espuma, o peso é reduzido em cerca de 70g.

Para mais informações, acesse a página da mochila de hidratação Vital 6 no site oficial da Thule.


Fotos (2)

foto 0 -  foto 1 -  Mais Fotos