home

Teste - Capacete Scott Fuga Plus Rev 2018

Capacete serve para MTB e Estrada e conta com proteção MIPS


8 JAN, 2019     Pedro Cury     3    
     


Além de suas renomadas bikes e componentes de sua marca-irmã Syncros, o fabricante suíço Scott também produz já há alguns anos, itens de proteção e vestuário de qualidade, como sapatilhas e capacetes.

Desta vez testamos um dos seus novos modelos, o capacete Fuga Plus Rev, que é indicado tanto para XC quanto para Estrada. Na hierarquia da marca, este está abaixo apenas do Cadence Plus (exclusivo para Estrada) e do Scott Centric Plus, capacete de uso misto que já testamos aqui.

Tecnologias

Foto 70602
   Pedro Cury

MIPS - Este sistema promete ser mais seguro em impactos angulares do que um capacetes não equipados com a tecnologia. Conheça mais sobre a tecnologia MIPS nesta matéria.

HALO Fit System - O sistema de ajuste topo de linha da Scott permite encontrar diversas posições de aperto, tendo sua pressão e altura micro-ajustáveis sem tirar o capacete da cabeça. Segundo a Scott, o desenho do sistema leva em conta a posição dos vasos sanguíneos e nervos da cabeça, reduzindo pontos de desconforto. .

X-Static® anti-bacterial padding - Sem produtos químicos ou nanotecnologia, o X-Static aposta na união permanente entre prata e tecido para eliminar odores e bactérias de forma eficiente.

Construção PC In-Mold - Esse processo de fabricação faz uma fusão da parte externa de policarbonato com a parte interna, tornando os capacetes mais leves, compactos e confortáveis.

Ficha Técnica

Foto 70666
Foto 70665
Foto 70664
Foto 70663
Foto 70662

Material: Policarbonato com Tecnologia In-Mold
Tamanhos: S / M / G
MIPS: Sim
Sistema de retenção: HALO Fit System
Ventilação: 14 aberturas
Certificações: CE / EN 1078
Cores: 6 (ver na galeria)
Peso divulgado: 290 g
Peso Aferido (completo): 315 g (Tamanho M, com viseira)
Peso da viseira: 25 g (M)
Preço Sugerido: R$ 1.099,90

Impressões Iniciais

Gostamos muito do visual do capacete! Apesar de ser voltado para o cross-country, o visual moderno lembra levemente capacetes de enduro. O acabamento também beira a perfeição. Ciclistas de estrada porém, podem achar um visual mais puxado para o mountain biking. Outro ponto que gostamos é que a marca aparece de uma forma discreta, evitando o efeito de "outdoor ambulante".

Foto 70619
   Pedro Cury

Há 5 grandes portas de ventilação frontais (cortadas por um reforço horizontal), duas também frontais bem pequenas onde encaixa a viseira, duas laterais e 5 traseiras.

Na parte traseira, temos o sistema de retenção HALO, que possui um dial para apertar ou afrouxar o capacete, com 55 clicks de micro-ajuste para um fit preciso. O sistema também tem um ajuste vertical com 3 estágios. Na parte de trás, entre as portas de ventilação, há um refletivo que acende ao ser atingido pela luz dos faróis de veículos.

Por dentro, a camada amarela do MIPS cobre toda a superfície, porém recortada nas ventilações. A espuma é feita de apenas duas tiras, com o material X-Static anti-bactericida. A viseira é pequena, discreta e removível sem precisar de nenhuma ferramenta. É uma viseira fixa e não ajustável.

Um ponto positivo é que o capacete vem com uma pequena bolsa de pano para carregá-lo e o negativo é que não vem com nenhuma espuma extra de reposição.

O Teste

Para o teste, tivemos a participação do piloto profissional Diego Knob e nosso editor Pedro Cury. O capacete foi usado em diversas situações e com temperaturas que foram dos 25 a quase 40 graus do verão brasileiro.

Foto 70620
   Pedro Cury

Uma das principais vantagens que sentimos foi o conforto. O sistema de ajuste permite apertá-lo com precisão e na medida certa. Não existe um ponto de ajuste muito espaçado, onde o capacete ficaria muito apertado ou frouxo - é possível acertar um ponto exato. Também não sentimos nenhum ponto de pressão indesejado ao apertar o capacete um pouco mais além do necessário.

Além disso, não foi notado nenhum problema com o capacete se movendo na cabeça de forma indesejada, mesmo pegando trechos muito técnicos e saltos, não houve qualquer problema do capacete caindo na cara ou algo do tipo. A viseira não atrapalhou em nada o ângulo de visão

A ventilação ficou avaliada como neutra, estando dentro do esperado. Não sentimos o ar entrando quando em maiores velocidades, mas também não houve calor fora do comum. A espuma, apesar de bem pequena, absorveu bem o suor, sem deixar escorrer pela cara. Também é interessante ter apenas duas tiras de espuma, pois fica mais difícil de perdê-las na hora de lavar.

Foto 70653
   Pedro Cury

Um ponto negativo do Fuga Plus é que não existe qualquer informação sobre aerodinâmica, algo que ciclistas de estrada iriam gostar de saber (a marca tem outros modelos focados para isso). Quanto ao peso, o Fuga está dentro da média, pesando um pouco a mais do que semelhantes para estrada e um pouco menos do que semelhantes para trilhas.

Pros

- Sistema de Proteção MIPS
- Conforto

Contras

- Visual pode desagradar os "Speedeiros"

Conclusão

O Scott Fuga Plus tem tudo para agradar a grande maioria dos pilotos de mountain biking. É muito confortável, ajustável e conta com sistema de proteção MIPS.

Já os pilotos de estrada podem questionar a falta de informações sobre a aerodinâmica e o visual que remete mais ao MTB.

Para saber mais, acesse a página do Scott Fuga Plus.

Pilotos:
Diego Knob - Perfil do Knob no Strava
Pedro Cury - Perfil Pedro Cury no Strava


Fotos (8)

foto 0 -  Mais Fotos

Comentários

  • avatar

    Eduardo   

    Eduardo   

    Por mais tecnologia q tenha... Esse preço ta surreal .. ????
    9 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    Junior   

    Junior   

    Selooooooko...por melhor q seja o equipamento....o valor e absurdo.....ASSALTO!?!?!
    9 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    Valter oliveira   

    Valter oliveira   

    Pq nao2 coloca logo uma arma nas nossas costas e grita que é um assalto. Ficaria mais fácil tomar nosso dinheiro. Eta Paisinho
    9 mes(es) atrás - Denunciar




  • Relacionados