Testamos a Sapatilha Gaerne GBS

Sapatilha italiana agora no mercado nacional


6 SET, 2009     Pedro Cury    



A Gaerne é uma empresa italiana fundada em 1962 por um mestre em produção de calçados esportivos, chamado Gazzola Ernesto. Hoje, é uma das líderes no setor com distribuidores no mundo inteiro e tendo seus produtos no topo do pódio em mais de 30 competições mundiais de moto e bike.

O modelo GBS é indicado para mountain biking, estando apenas um modelo abaixo do topo da linha.

imagem


:: CARACTERÍSTICAS

Material de destaque: Lorica, couro natural e poliuretano.
Peso: 920g sem cleats (encaixe para o pedal), no tamanho 42 (Brasil).


:: TECNOLOGIAS

- Air Ventilation System - O sistema de ventilação é feito a laser com um design inovador que permite maior ventilação.

- 2D. Micro Adjustment Aluminium Buckle - A tira principal é apertada por uma alavanca de aluminio, para maior pressão, que em conjunto com o A.I.C.S., mantém aperto e conforto.

- A.I.C.S. - Ajustable Instep Closure System - Permite adaptar a sapatilha a diversos perfis de pés, garantido apoio constante. Esse novo sistema de fechamento feito de poliuretano de alta-resistencia é posicionado sobre o pé e ajustado através de duas tiras independentes e com dentes serrilhados, mantendo a posição correta.

- Safety Lock Strap System - É um sistema de fechamento patenteado pela Gaerne. As tiras de aperto de baixo e do meio, além do velcro, contam também com dentes serrilhados que se encaixam com outros dentes na parte de baixo. Isso permite um fechamento muito mais preciso e que não solta, ajudando na regidez geral da sapatilha.

- Confort Fit Tongue - A lingueta tem micro-furos para melhor fluxo de ar e é feita com uma camada especial para aumentar o conforto.

- Heel Cup - A parte do tornozelo é feita de poliuretano resistente, pré-moldado anatomicamente, que não deforma e mantem a fixação.

- Insole Transpirante Leather - Feito de couro natural com um design anatômico e confortável. Tem micro-furos para melhorar a ventilação e é removível.

- Lorica - É um material tecnológico de microfibra, super fino (um milésimo de um fio de seda) com uma resina especial microporosa que possui maciez, durabilidade, leveza e é transpirável.

- Gaerne MTB Sole Technology - Todos os detalhes do solado foram estudados para oferecer o máximo em funcionalidade, segurança e alta performance. A rosca do clip é resistente a abrasão. O perfil foi projetado para máxima tração em qualquer tipo de terreno. Além disso, o desenho evita que se grude muito barro. Opcionalmente pode-se usar os dois pinos na parte dianteira da sola.

imagem

:: IMPRESSÕES INICIAIS

Ao tirar da caixa a sapatilha chama atenção principalmente por sua cor, amarela e branco. Quando se abre o velcro inferior e do meio também se nota que são um pouco mais rígidos de abrir e isso se dá pelo mecanismo de dentes que mantem as tirar nos lugar.

A sola tem o mecanismo de encaixar os cleats com quatro furos, permitindo maior flexibilidade de movimento e dando uma opção a mais para se por algum azar a rosca espanar (considerando que os mecanismos mais populares usam cleats de apenas dois parafusos).

Os ajustes todos das tiras, com o sistema de dentes e o A.I.C.S., torna a sapatilha diferente de ser manuseada num primeiro momento. É preciso entender como funciona o sistema e tirar proveito dele.


:: O TESTE

Dessa vez fizemos os testes em locais fora do Brasil. O teste principal foi feito em Casa de Campo, um parque repleto de trilhas em Madrid-ESP, onde há alguns meses atrás rolou uma das etapas da copa do mundo de cross-country. Convidamos o piloto carioca Guilherme de Biasi para esse teste. Guilherme é competidor de corridas de aventura, em provas que sempre tem trechos de mountain biking. Seus principais títulos são: 3o colocado no Circuito Carioca Adventure 2006 (duplas), Finisher do Brasil Wild Extreme 2008 (540km),Desafio das Montanhas 2008 (400km) e completou mais de 20 competições de multisport, triathlon e cross country de longa duração.

Testamos inicialmente todas as situações normais para o uso da sapatilha, em terreno seco e com alguns trechos mais soltos. Subidas, descidas e sprints. O primeiro ponto de destaque é a rigidez do conjunto. A sapatilha realmente se mantem muito rígida, sendo algo fácil de notar, provavelmente pelo conjunto de tiras que tem o mecanismo de aperto de alumínio em conjunto com os dentes serrilhados. Tudo muito fixo e estável.

imagem

Outro ponto de destaque é a ventilação. Ao seguir por trechos mais rápidos dá para notar o ar mais fresco entrando pela parte da frente da sapatilha. Ao mesmo tempo, isso pode ser um ponto negativo para quem pedala em regiões muito chuvosas, já que da mesma forma que a ventilação é ampla, é uma parte da sapatilha onde facilmente entra água. De todas as maneiras, o material é fino e seca rápido.

Para completar, o uso da sapatilha para andar foi satisfatório em todos os tipos de terreno. Em subidas secas e soltas, a sapatilha não escorregava, assim como em lama e terrenos difíceis.


Depoimento de Guilherme de Biasi:

"O principal mérito da Gaerne foi conseguir criar um produto com uma rigidez acima da media para sapatinhas de MTB, o que com certeza se traduz em uma melhor transferência de potência, e, ao mesmo tempo, proporcionar altos graus de ventilação, itens muito importantes para pedaladas com tempo quente".

Outro piloto que testou, foi nosso editor Pedro Cury, que usou a sapatilha para fazer parte da travessia Transalpina, passando pela Áustria, Suiça e Itália, com terrenos difíceis. Dessa vez com água, lama e caminhadas por trechos técnicos.

Depoimento de Pedro Cury:

"O que mais notei na sapatilha foi a rigidez. Fica impossível não notar o quanto ela fica fixa no pé e mantem uma plataforma estável para pedalar. Depois a ventilação, que se nota bastante nos trechos de velocidade, principalmente na parte da frente do pé. Não tive nenhum problema de desconforto, mesmo percorrendo distâncias grandes com uma sapatilha nova."

Um outro ponto a ser comentado é o peso do conjunto. A Gaerne GBS não está pesada para as qualidades que oferece, mas não está competitiva com os modelos mais leves do mercado. Com 920g no tamanho 42 e sem sola de carbono, não está mal.


:: CONCLUSÕES

A Gaerne GBS atendeu aos principais requisitos que uma sapatilha deve atender: rigidez, conforto e ventilação. A quantidade e qualidade dos ajustes permite que ela se adapte a diferentes formas de pés, se mantendo fixa e confortável. Mesmo saindo da caixa e não estando amaciada, ela proporcionou conforto em pedaladas e caminhadas mais longas. As tecnologias anunciadas realmente funcionaram como descritas. O peso foi a única característica onde a sapatilha não se destacou, porém, ficando melhor que a médias para uma sapatilha de mountain biking sem sola de carbono.


:: GARANTIA

A representante da Gaerne no Brasil é a LM Bike, que oferece 6 meses de garantia contra defeitos de fabricação, apenas para as sapatilhas que forem compradas através de lojas autorizadas no Brasil. Conheça o site da LM Bike: http://www.lmbike.com.br


:: ONDE COMPRAR

Intertrilhas - Belo Horizonte - 31-3264-3232
Via Barra - Rio de Janeiro - 21-3411-2121
Baron Bike - Curitiba - 041-3264-6097


Fotos (21)

foto 0 - foto 1 - foto 2 - foto 3 - foto 4 - Mais Fotos

Comentários





Relacionados