home

Specialized Stumpjumper FSR S-Works 650b 2017 - Primeiras impressões

Novas suspensões trazem progressividade


12 SET, 2016     Pedro Cury    



Há alguns meses, fizemos um teste completo da Stumpjumper FSR Carbon Comp 650b 2016. Agora no lançamento da linha 2017 da marca, na sua sede na Califórnia, tivemos a chance de experimentar a nova versão dessa bike.

Principais Mudanças

imagem
A versão S-Works 29 conta com o garfo Öhlins, além do shock. Porém, testamos a versão 650b.

A linha Stumpjumper FSR sofreu poucas mudanças, mas bem significativas, como listado abaixo:

- Todas as versões agora usam o padrão de eixos Boost e isso agora torna possível o uso de rodas 6Fattie (650b +) nas bicicletas de rodas 29". Antes eram duas bicicletas separadas.

- Não existe mais a versão Stumpjumper Hardtail, essa mudou de nome para Epic HardTail, para assemelhar-se a Epic FSR, sua irmã de XC competitivo.

- A maior novidade é que versão S-Works agora conta com suspensões dianteiras e amortecedores traseiros Öhlins, consagrada marca sueca que produz amortecedores e sistemas de suspensão de altíssimo rendimento para diversas modalidades esportivas. Porém, vale lembrar que a marca só produz suspensões dianteiras para rodas 29", então mesmo a versão S-Works 650b conta apenas com o amortecedor traseiro da marca.

Na trilha

Para testar a bicicleta, tivemos a chance de pedalar em 2 loops com terrenos parecidos, porém um com uma descida mais rápida e com pedras. O terreno da região é seco, duro e com sessões de muitas pedras, local em que a Stumpjumper fica bem a vontade. A versão testada, foi a 650b, justamente para comparar com o teste que fizemos anteriormente.


O maior defeito que encontramos anteriormente foi justamente nas suspensões. É verdade que a versão antes testada não era a S-Works, porém era no amortecedor traseiro que sentíamos maior lineariedade e falta de suporte em algumas curvas.

Com o amortecedor Öhlins, mesmo sem ter tempo de muitos experimentos, ficou clara a mudança total de comportamento, resolvendo esse detalhe anterior que nos incomodava.

O novo amortecedor tem novas características que não tivemos tempo de experimentar. Existe um controle de compressão de alta velocidade que ajuda a marcar o comportamento mais ou menos progressivo. O controle de retorno conta também com menos cliques (apenas 6). E assim como nas outras marcas existe uma alavanca de trava rápida para ajudar o quando se quer pedalar com a suspensão mais firme como em subidas.

A suspensão dianteira, um RockShox Pike RCT3, já estava presente em algumas versões do ano passado e também mostrou um comportamento muito melhor do que a Revelation que usamos anteriormente.

Como a geometria não mudou, era de se esperar um comportamento parecido com a versão anterior, mas com um funcionamento melhor das suspensões. E felizmente isso se comprovou! A bike é muito fácil de fazer curvas. Com o novo amortecedor, se torna uma das mais divertidas que já andamos.

Esperamos em breve fazer um teste mais completo e também comparar com a versão 29".

Piloto: Pedro Cury (Strava)


Comentários





Relacionados