home

Specialized organiza cicloviagem para testes da nova bicicleta Dolce Evo


20 NOV, 2015     Gustavo Figueiredo    



Durante três dias, seis mulheres de diferentes faixas de idade colocarão as rodas na estrada e pedalarão com o novo modelo de bike da Specialized entre São Paulo e a região do Alto Tietê, no Vale do Paraíba.

imagem


Criadora da Escola de Bicicleta Ciclofemini, a administradora de empresas Claudia Franco, em parceria com a Specialized, reunirá cinco amigas neste fim de semana de feriado prolongado para fazer uma viagem especial. O sexteto vai colocar as rodas na estrada por três dias, pilotando a nova bike Dolce Evo e levando apenas o básico na bagagem. A ideia é testar a bicicleta e mostrar que mulheres de diferentes faixas de idade podem pedalar e sentir o gostinho de liberdade e aventura mundo afora.

O ponto de partida da cicloviagem Dolce Evo Trip - Specialized será o vão livre do Masp (Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand), nesta sexta-feira (20), às 6h30 da manhã. "Nosso destino será a região do Alto Tietê, no Vale do Paraíba (SP). Vamos conhecer e explorar os pontos turísticos de Mogi das Cruzes e Guararema, locais de histórias surpreendentes e muitas belezas naturais", conta Claudia Franco. Da Avenida Paulista, no coração de São Paulo, as seis ciclistas pedalarão até a Estação da Luz, onde pegarão um trem para Mogi das Cruzes, acomodando-se no último vagão, onde é permitido entrar com as bicicletas.

Ao termino dessa viagem de trem, na estação Estudantes (Linha 11 - Coral), elas irão rodar cerca de 50 km passando pelo centro da cidade de Mogi das Cruzes e desbravarão estradas de asfalto e de terra do município. Pernoitarão na cidade e, na manhã de sábado (21), seguem rumo a Guararema. "No segundo dia serão entre 60 a 70 km de pedal por uma região rica em natureza e atrações histórico-culturais", relata Claudia, experiente nesse tipo de viagem.

As seis ciclistas passarão a noite em Guararema e no domingo (22), o terceiro e último dia do passeio, ainda farão alguns passeios pela região. No início da tarde, pegarão novamente o trem de volta a São Paulo. Durante o percurso, elas serão acompanhadas pelo fotógrafo Guto Gonçalves, do Estúdio13, especializado em esportes, e também farão registros pessoais - dividindo suas experiências em seus canais de comunicação e redes sociais. A ideia é reunir vasto material para a produção de reportagens e um documentário.

As ciclistas da cicloviagem Dolce Evo Trip - Specialized:


imagem
Claudia Franco. Foto: DivulgaçãoClaudia Franco, 54 anos, criadora da Escola de Bicicleta Ciclofemini- Administradora e analista de sistemas, ela trilhou uma carreira de sucesso no ramo da informática e montou a própria consultoria. Porém, trocou sua trajetória consolidada de 32 anos entre grandes empresas para ganhar a vida sobre duas rodas. Tudo começou há cinco anos, às vésperas de seus 49 anos, quando um amigo a convidou para participar de uma competição de mountain bike na Patagônia.

"Como sempre curti um desafio, aceitei o convite na hora. O único ?detalhe? era que eu não sabia nem subir na bicicleta", conta. Com uma bike emprestada, ela deu início a seu autoaprendizado e criou um blog para dividir suas experiências e conquistas - trabalho que resultou na criação e na consolidação da Ciclofemini Escola de Bicicleta, em São Paulo. Atualmente Claudia se dedica a ensinar pessoas a descobrirem um mundo novo com a bicicleta. "Colocar alguém para pedalar é como soltar um passarinho da gaiola".

Ana Paula Urzedo, 44 anos, médica dermatologista- Sempre gostou de pedalar, mas como lazer. Há alguns anos, observando pessoas treinando na estrada, passou a alimentar o sonho de ter uma bicicleta de performance e a levar mais a sério a atividade. "Em uma viagem a Nova Iorque (EUA), há três anos, finalmente comprei uma speed. Minhas amigas da academia se animaram também, mas treinávamos juntas esporadicamente. Na maior parte das vezes ia pedalar sozinha. E numa dessas conheci a Claudia Franco, que me convidou para participar do Pelotão Ciclofemini. Fiquei super feliz, agora tenho companhia para treinar e viajar", diz.

imagem
Marina Richwin. Foto: Divulgação
Marina Richwin, 27 anos, analista de marketing- Desde muito pequena, Marina experimentou todos os esportes. "Ia para o clube e a cada semana me inscrevia em um tipo de aula: pratiquei de basquete e ginástica olímpica a futebol e judô. Mas foi com 17 anos que me encontrei: conheci a corrida de aventura e me apaixonei. Comecei a treinar sério e nunca mais parei. Atualmente corro e pedalo quase todos os dias e remo de vez em quando".

A bicicleta, em especial, é muito mais que um esporte para Marina. "É meu meio de transporte diário, me traz liberdade e um enorme sentimento de independência e bem-estar." Apesar de todo envolvimento com a bike, essa será sua primeira cicloviagem. "Acredito que será uma forma incrível de autoconhecimento, oportunidade única de conhecer novos lugares e novas pessoas e, claro, de me divertir muito".

Marjorie Vieira Batista, 39 anos, médica infectologista- Apaixonada por esportes, em especial os que têm contato com a natureza e com outras pessoas, a vida toda Marjorie usou a bike como meio de transporte. "Mas eu queria mais: sempre assistia as competições de road bike e ficava impressionada com os pelotões", conta. Somente em julho desse ano decidiu comprar sua bicicleta. "O primeiro passo foi procurar uma assessoria para praticar o esporte com segurança. E num catálogo que recebi, li uma matéria da Claudia Franco. Não pensei duas vezes e entrei em contato para agendar aulas de sapatilha e pilotagem. Então ela me convidou para participar do grupo e hoje treinamos três vezes por semana, religiosamente."

Noemi Mazzaro, 32 anos, trade marketing- Ficar parada nunca foi com ela. "Amo praticar esporte e não importa o dia ou o horário. Sempre gostei muito de academia e não faltava às aulas de musculação por nada. E depois que conheci o ciclismo, me apaixonei. A bike me mostrou um mundo diferente, trouxe novos amigos e a vontade de buscar a superação de meus limites", diz. É isso que Noemi espera da viagem. "Quero concluir mais esse desafio com muita garra e alegria".

imagem
Yara Achôa, 49 anos, jornalista- Começou a correr há 10 anos e o esporte mudou sua vida. "Foi um divisor de águas: emagreci, melhorei a autoestima, descobri uma força que eu nem sabia que tinha, além de transformar minha trajetória profissional. Afinal, depois disso, foquei meu trabalho nas áreas de saúde, bem-estar e esportes", revela. E foi longe em suas conquistas. "Completei sete maratonas entre inúmeras outras provas". Há cinco anos, Yara passou a usar a bicicleta como meio de transporte, fazendo pequenos deslocamentos pela cidade.

"Quando a Claudia me chamou para essa cicloviagem, minha reação foi perguntar: ?sério, você está mesmo me convidando?? Eu tenho fôlego e bagagem de corredora, mas sei que bicicleta é diferente. Então, desde o final de agosto, além dos meus treinos de corrida e academia, passei a pedalar mais forte com o Pelotão Ciclofemini na ciclovia, aumentando a quilometragem e a velocidade. Foi uma emoção fazer meu primeiro longo. Posso dizer que fui dos 8 aos 80 quilômetros em pouco tempo e encontrei na bike uma nova paixão".

A bicicleta

A Dolce Comp Evo é a bike que vai ajudar essas seis mulheres a descobrirem "onde aquela trilha vai dar", locais pelos quais muito poucos chegam... Desenvolvida para enfrentar qualquer aventura em estradas, terrenos acidentados e de cascalho com conforto e segurança, é o veículo de escape para todas as pedaladas. Sempre pronta para encarar desafios e construída com geometria feminina para endurance, a pilotagem estável ajuda a superar os limites, tanto em termos físicos quanto geográficos. Os enxertos Zertz no garfo, por sua vez, amortecem as vibrações do caminho proporcionando pedaladas muito mais macias e divertidas.


Comentários



Relacionados