MENU

Sense Versa - A versatilidade de uma gravel brasileira

Criada há alguns anos, categoria gravel promete versatilidade total de uso. Mas será que é verdade?

Bicicletas são ferramentas. A partir do momento que você entende isso, fica muito mais fácil descobrir qual bike é ideal para o seu estilo de pedal. Afinal, todo trabalho fica muito mais simples quando temos a ferramenta certa para a execução.

Sense Versa 2020
Sense Versa 2020

Porém, diferente de uma chave de fenda ou um alicate, boas bicicletas são bens de consumo com alto valor agregado. Isso quer dizer que, para a grande maioria das pessoas, não é possível ter várias bikes diferentes, uma para cada tipo de pedal - entra em cena as bikes gravel.

No mundo das bikes de estrada, as gravel chegaram com a promessa de ampliar a versatilidade de uso. Para isso, elas apostam em geometrias especiais, pneus mais largos, freios mais fortes e outros detalhes, para que a bike seja mais capaz do que uma estradeira comum.

Com isso, elas tornam-se veículos adaptados não só para encarar estradas pavimentadas, mas também ruas esburacadas, estradas com asfalto bem ruim e até mesmo estradões de terra e trilhas. Com isso, muita gente passou a acreditar que uma gravel pode ser "uma bike que faz tudo".

Mas, será que isso é verdade? Para ter certeza, reunimos nosso conhecimento com o depoimento de alguns proprietários deste tipo de bike.

O resultado você confere no texto abaixo.

O que muda entre uma bike de estrada e uma gravel?

Via de regra, quando falamos em geometria, uma bike gravel é uma bike de estrada que recebeu uma dose adicional de conforto e estabilidade. Para entender como isso funciona, conversamos com Pierre de Tarde, projetista da Sense Bike e responsável pela criação da Versa, uma das bikes Gravel mais populares no mercado nacional.

Veja também: Quais são as modalidades do ciclismo de estrada?

"Para criar a Versa, tomei como base a geometria da Criterium, que é nossa bike de estrada com quadro em alumínio. Para melhorar o conforto, encurtei um pouco a distância entre o selim e o guidão. Além disso, posicionei o guidão um pouco mais alto e deixei ele mais largo", comentou Pierre.

Sense Versa 2020
Sense Versa 2020

"Outro detalhe importante é que, para melhorar a estabilidade na terra e em trechos mal pavimentados, deixei a caixa de direção um pouco mais deitada, o que melhora o controle da bike. Pelo mesmo motivo, aumentei a distância entre-eixos e, para finalizar, subi a altura dos pedais para evitar que eles batam no chão nas trilhas", finalizou o projetista.

Uso urbano

Nas cidades, uma gravel reúne uma boa capacidade de encarar um piso judiado sem que isso prejudique demais a velocidade da bike. Isso pode ser importante para quem precisa encarar um trânsito movimentado em vias mais velozes.

Isso acontece porque um dos maiores riscos para o ciclista urbano é ficar sem espaço ao ser ultrapassado por outro veículo. Com mais velocidade, você reduz o número de ultrapassagens, o que acaba sendo mais seguro - neste cenário, as bikes de speed são insuperáveis.

Porém, quando o asfalto fica muito ruim, os pneus super finos e o desenho super agressivo deixam as estradeiras em desvantagem.

Pneus de uso misto
Pneus de uso misto

"Frequentemente é necessário andar em calçadas, trechos de terra, esburacados, com areia e transpassar obstáculos com um pequeno salto ou passando por cima mesmo. A bike é robusta e o pneu é aderente para isso", explicou Braulio Truite, que usa uma Sense Versa em seus deslocamentos diários na cidade paulistana de Atibaia.

Além dos pneus mais reforçados e largos e da geometria mais polivamente, muitas bikes de gravel ainda contam com um recurso nem sempre presente em bikes de estrada: a furação para bagageiros e para-lamas - dois recursos que não podem faltar se você quer evitar o suor nas costas e a sujeira que vem de baixo pra cima.

Relação de marchas mais ampla
Relação de marchas mais ampla

A Sense Versa 2020, por exemplo, pode ser encontrada com uma prática bolsa de quadro, onde é possível carregar boa parte dos seus objetos, carteira, telefone, ferramentas e câmara reserva - a organização fica por sua conta.

Outro detalhe é que, por também serem adaptadas para andar na terra, as bikes de gravel costumam ter as marchas um pouco mais "leves" do que uma estradeira convencional - isso se traduz em mais facilidade para encarar as ladeiras inclinadas tão comuns em muitas cidades do Brasil.

Uso em estradas

Para muita gente,a Gravel pode ser uma opção para treinar, inclusive se, por um motivo ou outro, esse treinamento envolver trechos de asfalto. Até porque, treinar no asfalto tem algumas vantagens sobre os treinos na terra, principalmente quando falamos em fazer intervalos constantes de potência ou frequência cardíaca - o famoso treino intervalado.

Por ter um guidão curvo e uma geometria derivada das bikes de estrada, uma bike gravel possui uma posição mais aerodinâmica do que uma mountain bike. Além disso, o formato do guidão não tem pontas salientes como uma bicicleta de trilha - assim, o risco de enroscar-se na bicicleta ao lado é menor.

Confira essa e outras dicas sobre como pedalar em um pelotão de ciclistas.

Para permitir que a bike ande em alta velocidade mesmo em trechos asfaltados, a maioria das gravel bikes utiliza pneus bem diferentes de uma MTB. Via de regra, a aposta fica em pneus com desenho misto, muitas vezes com cravos baixos e bem agrupados, que oferecem tração na terra sem que muita energia seja gasta com a deformação da borracha.

Obviamente, uma bike com pneus assim não terá a mesma velocidade de uma estradeira convencional. Porém, boa parte da desvantagem pode ser compensada com uma recalibragem dos pneus. Se a necessidade de andar rápido no asfalto for prioritária, ainda é possível trocar os pneus da bike por modelos mais "on road".

Uso em trilhas

Aqui no Pedal.com.br, já tivemos algumas oportunidades de pedalar em bikes gravel, seja em trechos de terra ou asfalto. Em 2018, por exemplo, fizemos uma avaliação de primeiras impressões da Sense Versa 2019. Na ocasião, o que mais chamou a atenção de nosso avaliador foi a incrível capacidade que a bike tem de oferecer diversão mesmo em trilhas sem grandes desafios técnicos.

Nosso teste com a Versa
Nosso teste com a Versa

"Além de divertida, a bike mostrou boa capacidade de enfrentar trilhas e asfalto, com a posição mais deitada agradando na hora de fazer força. Com estas características, o modelo torna-se ideal para quem busca diversão à moda antiga, aventuras de bike e pedais longos em terreno variado - isso para não falar na alta capacidade de trafegar em cidades com elevado conforto e velocidade", concluiu nosso avaliador na época.

Dito isso, é importante deixar claro que uma gravel não é uma mountain bike. Isso quer dizer que, apesar de normalmente terem freios a disco, ela não vai ter o mesmo controle na trilha do que uma MTB - até por conta de sua geometria e da comum ausência de suspensão.

Mas, mesmo que você não encare aquela trilha super técnica cheia de saltos, uma gravel pode ser uma otina opção para quem deseja ter um contato mais próximo com a natureza, principalmente se isso envolver pegar trilhas leves e estradas de terra.

"Há algum tempo venho fazendo rolês de Gravel. Andei com ela na região de Cotia e Granja Viana. Como lá é estradão de terra, quebrei vários recordes pessoais meus. Com a gravel é possível andar muito mais rápido do que com a mountain bike no estradão", comentou Tomaz Bueno, do Canal Vida Adaptada no Youtube.

"A versatilidade da bike é muito legal. Acho que em treinos que misturam asfalto e terra, a única dica é lembrar de baixar a pressão dos pneus quando chegar na terra, já que isso muda o comportamento da bike", complementou Tomaz.

Viagens de bike

Para quem viaja de bike, a gravel pode ser uma boa opção. Afinal, com geometrias que deixam o piloto numa posição menos agressiva, marchas mais leves e pneus capazes de rodar com certa eficiência em superfícies variadas, a Gravel pode se tornar uma substituta muito eficiente para as touring bikes, modelos específicos para pedais de turismo - obviamente, a presença de furação para bagageiros também é fundamental para este tipo de atividade.

Porém, é importante destacar que, assim como qualquer bike de "estrada", a gravel não tem marchas tão leves quanto uma mountain bike. Por isso, subir trechos super inclinadas carregando bagagens pesadas pode exigir mais força do ciclista. Nos planos e descidas, porém, a velocidade será maior - de uma forma ou de outra, quase sempre é possível trocar o cassete da bicicleta para um que possua mais marchas de subida.

Competições

Sim, muita gente gosta de competir de bicicleta e, até pouco tempo, os donos de bikes gravel no Brasil tinham poucas opções de provas para correr. Porém, com o aumento da popularidade da modalidade, muitos organizadores de provas de maratona já estão incluindo a modalidade gravel em suas provas.

Foto 76155
    Tomaz Bueno - Arquivo pessoal

Normalmente, as bikes rodam no mesmo percurso que o pessoal das mountain bikes, mas geralmente os trechos mais técnicos são excluídos. Assim, o trajeto fica mais adaptado para as características da bike.

Outro detalhe é que, com uma gravel, também é possível trocar os pneus por modelos de uso em pavimento. Sim, a bike será um pouco mais pesada, menos ágil e menos aerodinâmica do que uma estradeira pura, mas se seu objetivo não for o máximo desempenho, é possível se divertir com ela em uma prova de estrada.

"Já até participei de competição de Paraciclismo de estrada usando uma Gravel bike com pneus de asfalto", finalizou Tomaz Bueno.

Conclusão

A Gravel é uma bike capaz de fazer tudo ? Bom, a resposta para isso é: depende do que o "tudo" significa para você. Se seu objetivo é ter uma bike capaz de rodar na cidade, em estradas e também na terra, a resposta é sim. Se você deseja encarar trilhas técnicas ou corridas de ciclismo de estrada, a resposta é não.

Voltando no assunto "bicicletas são ferramentas", pense que a gravel é uma chave inglesa. Apesar de não ser perfeita para uma única função, sua força está na flexibilidade de uso e na capacidade de adaptação - ela pode não ser uma bike para tudo, mas com certeza é capaz de atender boa parte das necessidades comuns à vários ciclistas.

Mais informações na página da Sense Versa 2020.


Relacionados

Comentários

estou esperando a 2021, pelo jeito lançam, e não tem para vender....

Não encontro esse bike em nenhum lugar de São Paulo, está realmente a venda?

A matéria é boa, a bike parece legal, só falta a fabricante *ter estoque*



Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando você concorda com a nossa política de privacidade.