home

Sense Versa 2019 - Primeiras Impressões

Pedalamos a nova gravel bike de entrada da Sense no asfalto e na terra. Confira os fortes e fracos da bike


31 AGO, 2018     Gustavo Figueiredo     10    



Construída ao redor de um quadro de alumínio 6061 T4/T6 e equipada com componentes de gama intermediária, a Versa é uma gravel bike que foi apresentada junto com a linha 2019 da Sense e promete levar o conceito de pedalar no asfalto e na terra para uma gama maior de consumidores. Ao longo de uma tarde, tivemos a oportunidade de testar o modelo nas trilhas ao redor do Alphaville Lagoa dos Ingleses, em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Foto 69266
   Pedro Cury

Ficha Técnica

Quadro: Sense Alumínio Sl 6061 T4-t6 Dupla Espessura / Tapered / Cabeamento Interno
Garfo: Alumínio Sense 1.1/8 1.1/5
Caixa: Neco Integrada
Guidão: Sentec Aero 31.8 420mm/440mm M/l
Avanço: Sentec Alloy 31.8
Fita de guidão: Sense
Canote: Sentec 31.6 300mm
Selim: Selle Royal Avio
Trocador: Shimano Claris R200
Trocador: Shimano Claris R200
Freioa: Shimano Rs317 Mecânico
Discoa: Shimano Rt30 160 Mm
Câmbio dianteiro: Shimano Claris R2000
Câmbio traseiro: Shimano Claris R2000
Central: Shimano Bb Rs500
Pedivela: Shimano Claris R2000 Compact 170mm S/m 175mm L 34 X 50
Corrente: Kmc Z7
Cassete: Shimano Hg50
Roda dianteira: Sense Disc Sl 700c / Raios Sapim Leader /cubos Shimano Centerlock Rm35
Roda traseira: Sense Disc Sl 700c / Raios Sapim Leader /cubos Shimano Centerlock Rm35
Pneu: Schwalbe G-one 700 X 40c
Câmara: Chaoyang
Peso divulgado: 11.30 kg
Preço sugerido: R$3.990,00

Impressões iniciais

Pelo máximo que o conceito das Gravel bikes não seja exatamente uma novidade, uma bicicleta com guidão curvo e pneus cravudos sempre chama a atenção. No caso da Versa, o forte laranja contrastando com o fundo em tons de cinza chumbo reforçam bastante esta característica.

Apesar de não contar com componentes super avançados, a bike inspira desempenho, principalmente graças ao cabeamento praticamente todo interno, a presença do freio a disco e da bela pedivela Shimano Claris, que já segue o mesmo padrão de desenho com braços assimétricos do Dura-Ace, o topo de gama. A frente baixa e a posição mais agressiva ampliam ainda mais a sensação de uma bike de alto rendimento e o quadro já utiliza caixa cônica, com o garfo sendo feito em alumínio.

Configuração

Assim como a maioria das bikes da Sense, a Versa utiliza componentes como mesa, guidão. abraçadeira e canote com o logo da Sentec, marca de componentes do fabricante mineiro - a bonita fita de guidão Sentec e o selim Selle Royal Avio agradaram em cheio. Um detalhe interessante é que o guidão da Versa sempre será um pouco mais largo do que o da sua prima estradeira pura, a Criterium - tudo para melhorar o controle na terra.

Foto 69257
   Pedro Cury
Foto 69258
   Pedro Cury

O restante da bike utiliza peças Shimano, em sua maioria pertencentes ao grupo Claris - o mais básico da gama de estrada do gigante japonês. Quem está acostumado com os STIs vai se sentir em casa com o funcionamento e com a ergonomia dos trocadores, sendo que a passagem do cabo do câmbio já acontece por dentro da fita de guidão. Os câmbios, também Claris, deslizam a corrente sobre uma pedivela com coroas 50/34 e um cassete de 8 velocidades 11/32 dentes.

Foto 69260
   Pedro Cury
Foto 69261
   Pedro Cury

As rodas Sense possuem um bonito grafismo e são calçadas com pneus Schwalbe G-One 700x40C, um modelo com cravos bem pequenos e agrupados que privilegiam a rolagem e a tração em terrenos mais batidos e duros. Para frear a bike, o fabricante apostou em pinças mecânicas Shimano RS317 mordendo discos Center Lock de 160mm.

Geometria

Segundo a equipe de desenvolvimento da Sense, a geometria da Versa foi criada a partir da Criterium, um modelo puramente de estrada que já existe há alguns anos. No novo modelo, o projeto sofreu importantes alterações para privilegiar o conforto e o controle em situações que vão muito além do asfalto liso. Segundo a marca, as principais alterações aconteceram no tubo superior - que cresceu para evitar que a ponta do pé raspe no pneu - e no head-tube que ficou maior para aumentar o conforto.

No geral, se comparada à sua prima estradeira, a Versa é mais longa também na traseira, além de perder um grau no ângulo da caixa de direção, caindo de 72 para 71 graus. Essas alterações aumentam a distância entre-eixos e "acalmam" as reações da dianteira da bike, tornando o modelo mais apto para enfrentar situações fora de estrada. A altura do movimento central também cresceu para evitar batidas de pedal contra obstáculos na trilha. No geral, as alterações seguem um caminho de melhorar o controle e a estabilidade da Versa quando o piloto deixa o pavimento para trás.

Pilotando

Ao subir na bike, percebemos uma posição de pilotagem alongada e mais deitada - algo que agradou bastante nosso piloto de testes. A posição é fruto não só da geometria, mas do comprimento da mesa e também os centímetros extras proporcionados pelo guidão.

Foto 69265
   Pedro Cury

Nosso pedal começou com um trecho de single plano, liso e com o terreno um pouco mais batido. Nesta hora, a rolagem do conjunto e a velocidade nos surpreenderam positivamente. O conforto e a absorção de impactos dos pneus também agradaram - pedalamos com câmaras e cerca de 32 libras na frente e 35 atrás. Naquele trecho, a Versa se sentiu em casa, proporcionando uma pilotagem ágil, divertida e veloz.

No trecho seguinte, rumamos para mais alguns singles com subidas e descidas curtas com buracos, raízes e cobertura bem mais solta, repleta de pedriscos, pedras médias e areia sobre o chão duro. Nesta situação, a geometria agradou, mas os pneus deixaram um pouco a desejar.

Embora funcionem muito bem no piso mais batido, proporcionando boa aderência e excelente rolagem, os minúsculos e agrupados cravos do Schwalbe G-One simplesmente não penetram no solo para encontrar tração quando a cobertura é solta. Neste caso, a velocidade e a diversão ficaram limitadas pela aderência e não pelo comportamento da bike. Nas subidas mais inclinadas sobre este tipo de terreno perdemos a tração em algumas ocasiões, assim como em algumas curvas mais escorregadias.

Foto 69264
   Pedro Cury

Por outro lado, os Schwalbe mostraram uma boa capacidade de absorver o terreno, limpando irregularidades e vibrações da trilha com grande desenvoltura. Em algumas situações, quase nos esquecemos que a bike não tem nenhum tipo de suspensão - quando algum buraco ou raiz parecia grande demais para ser transposto, a Versa não encontro dificuldades em desviar de trajetória com agilidade e precisão.

Este comportamento "divertido" acabou resultando em momentos de alta empolgação, com nosso piloto quase levando um mega capote ao entrar rápido demais em uma curva cheia de pedras. Com o peso bastante deslocado para frente em relação ao eixo dianteiro, uma pedra "ejetou" a roda traseira para cima durante a frenagem, quase gerando um "capotamento frontal carpado" - quem estava atrás se divertiu com a cena.

Foto 69263
   Pedro Cury

Quando regulados, os câmbios mostraram-se bastante eficientes, com trocas macias e precisas. Apesar disso, sentimos falta de uma marcha um pouco mais leve para encarar subidas super inclinadas - talvez um câmbio cage longo e um cassete 36 dentes seja mais indicado para iniciantes. O ponto negativo ficou por conta da bateção de corrente em terreno esburacado, algo esperado para câmbios sem trava.

Foto 69259
   Pedro Cury

As frenagens do conjunto mecânico nos pareceram positivas, com os freios gerando potência mais do que o suficiente para travar os pneus na terra. A modulação nos pareceu eficiente, mas a falta de tração dos pneus no terreno solto complicou a avaliação.

No asfalto, a Versa mostrou uma boa agilidade de direção, com acelerações eficientes ao aplicar força aos pedais. Ela não chega a ser super ágil como uma estradeira pura, mas está longe da moleza comumente relacionada à uma MTB.

Os pneus rolam bem e agradaram nas curvas pavimentadas. Aqui e na terra batida, os cravos pequenos e agrupados passam a ser vantajosos, já que eles sofrem pouca distorção, permitindo realizar curvas em alta velocidade no asfalto e na terra compactada.

Conclusão

Houve um tempo - tipo em 1995 - em que fazer trilha significa andar em alta velocidade em estradões de terra. Naquela época, descida técnica era qualquer coisa com buraco, salto era coisa de maluco e raízes grandes e drops inclinados era simplesmente assustadores demais para serem transpostos.

Foto 69262
   Pedro Cury

Apesar de diferente, a diversão naqueles tempos não era nem um pouco "menos divertida" - talvez por isso andar de gravel tenha trazido tantas boas lembranças para nossos pilotos de teste. Com pneus estreitos, nenhuma suspensão e uma geometria "quase de estrada", a Versa mostrou que é possível se divertir demais mesmo sem encarar aquele single super agressivo.

Além de divertida, a bike mostrou boa capacidade de enfrentar trilhas e asfalto, com a posição mais deitada agradando na hora de fazer força. Com estas características, o modelo torna-se ideal para quem busca diversão à moda antiga, aventuras de bike e pedais longos em terreno variado - isso para não falar na alta capacidade de trafegar em cidades com elevado conforto e velocidade.

Piloto: Gustavo Figueiredo - Strava
Vestuário: Camiseta ASW Racing Personalizada, Bretelle La Maglia Forro Italiano, Sapatilha Shimano Torbal, Capacete Lazer Magma.

Para mais informações acesse a página da Versa no site oficial da Sense Bike.


Comentários

  • avatar

    Tiago Lage   

    Tiago Lage   

    Pra mim, as gravel só começarão a fazer sentido no dia que algum fabricante colocar uma com cubo XD e relação 10-42 atrás por 46-30 na frente, com pelo menos um freio semi-hidráulico. Aí sim tem bike pra encarar qualquer terreno de estradão, com um range beeem mais adequado. Não sei porque ainda não apresentaram uma bike assim.

    Se alguma empresa no Brasil fizesse, com bom C x B, sairia na frente.

    15 dias atrás - Denunciar


  • avatar

    Paulo Mendo   

    Paulo Mendo   

    Gostei bastante da bike, excelente relaçao custo x benficio.
    20 dias atrás - Denunciar


  • avatar

    atsano    São Paulo - SP

    atsano    São Paulo - SP

    A sense, pelo menos no site, está com bikes com ótimas configurações e um bom custo/beneficio. Quanto mais testes vocês conseguirem fazer, melhor!
    2 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    Rodrigo Martins    

    Rodrigo Martins    

    Nunca esta bike pesa 11kg. Mínimo uns 14.
    Pelo menos foi a impressão que tive ao pega-la na Shimano Fest.

    2 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    André    

    André    

    Ué, a Sense abandonou a Criterium?

    colocou um grupo bem inferior ao Sora, deu um up nos pneus pra mascarar e esta cobrando o mesmo da Criterium 2017? Que jogada hein.

    2 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    Huga   

    Huga   

    Olá galera
    A Sense tem que fabrica uma
    Bike ciclocross
    Não importa se aqui não temos
    Provas de ciclocross
    A Sense pode sair na frente
    Nessa
    Eu compraria com certeza
    Um abraço

    2 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    am.araujo    São Paulo - SP

    am.araujo    São Paulo - SP

    Muito legal a proposta, e como ela usa cubos RM35 dá pra usar rodas aro 29 sem problemas, o que facilita futuros upgrades.
    2 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    rafael_rtg    Itapeva - SP

    rafael_rtg    Itapeva - SP

    Eduardo, hoje temos Freios mecânicos como o TRP Spyre que possuem dois pistões e os freios hidráulicos acionados por cabo, como os Nutt, que são um belo Upgrade para a Sense Versa, sem um custo tão alto assim...
    2 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    EduardoRR    Jundiaí - SP

    EduardoRR    Jundiaí - SP

    Cebo, valeu pela informação. já usei mecânico, mas faz tempo e lógico que eles evoluiram né ? Eu tenho muita vontade de uma gravel, nem sei se usaria muito, mas em alguns pedais com certeza.
    2 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    Cebo    São Paulo - SP

    Cebo    São Paulo - SP

    Edu, chegou a usar esses freios? Também esperava pouco deles mas gostei. Ta certo que sou leve, mas mesmo assim fiquei surpreso.

    2 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    EduardoRR    Jundiaí - SP

    EduardoRR    Jundiaí - SP

    Para estradão de terra deve ser interessante. Necessário upgrade de freio de imediato.
    2 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    luizalberto@2840.com   

    luizalberto@2840.com   

    Capacidade de peso
    2 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    Fernando   

    Fernando   

    Claris e freio a disco mecânico....da não.....
    3 mes(es) atrás - Denunciar




  • Relacionados