home

Santa Cruz Tallboy C Kit S 2018 - Primeira Impressões

Pedalamos a Tallboy, uma bike de XC com o espírito Santa Cruz e geometria para encarar terrenos cabeludos


13 AGO, 2018     Gustavo Figueiredo     2    



A Santa Cruz Tallboy é uma bicicleta de XC com um espirito mais agressivo, para pilotos que desejam uma geometria capaz de encarar terrenos técnicos e descidas em alta velocidade sem que a capacidade de escalar seja prejudicada por isso.

Foto 67870
   Pedro Cury

Segundo a Santa Cruz, a Tallboy não é uma XC para os super competitivos que precisam de máximo desempenho - para isso existe a Blur que você conheceu neste primeiras impressões - e sim uma bike "faz tudo" para que gosta de andar o diante inteiro com bastante eficiência e capaz de encarar descidas mais "brabudas".

Durante uma viagem para a Serra da Canastra e na Copa Internacional de MTB em Araxá, tivemos a oportunidade de pedalar a Tallboy C Kit S, equipada com SRAM GX Eagle, suspensões FOX e quadro totalmente em fibra de carbono C - a graduação menos avançada da Santa Cruz.

Ficha técnica

Quadro: Santa Cruz Tallboy Fibra de Carbono C / 110mm de curso / boost
Suspensão: FOX 34 Float Performance 120
Amortecedor: FOX Float Performance DPS
Câmbio traseiro: SRAM GX Eagle
Passadores: SRAM GX Eagle
Pedivela e coroa: SRAM GX Eagle 32 dentes
Cassete: SRAM XG1275 Eagle 10-50 dentes
Corrente: SRAM GX Eagle 12 velocidades
Freios: SRAM Level TL
Disco de freio: Avid Centerline 160mm
Caixa de direção: Cane Creek 40 IS Integrada
Guidão: Race Face Evolve Flat bar 31.8x720
Mesa: Race Face Aeffect R 50mm
Punhos: Santa Cruz Palmdale
Cubo dianteiro: Novatec D641 15x110
Cubo traseiro: Novatec D642 12x148 (XD)
Aros: Race Face AR 24 29 32h
Raios: DT Competition (28)
Pneu dianteiro: Maxxis Minion 29x2.3 DHF 3C EXO TR
Pneu traseiro: Maxxis Ardent Race 29x2.35 TR 3C EXO
Tubos selante: STAN's 2oz
Canote: RockShox Reverb Stealth 31.6
Selim: WTB Volt Race
Peso Divulgado: 12.66kg
Preço na data da publicação: 28.990,00

Pacote de componentes e desenho

No papel, a Tallboy possui números e características que parecem suportar exatamente a promessa de uma bike agressiva de XC. O modelo tem 110mm de curso na traseira, 120mm na dianteira, geometria um pouco mais aberta, canote retrátil e um peso divulgado de 12.66kg - nossa bike tamanho L pesou 13.5kg.

Foto 67882
O grupo escolhido é o SRAM GX Eagle   Pedro Cury
Foto 67881
A pedivela GX Eagle.   Pedro Cury
Foto 67880
O bem-vindo central com rosca   Pedro Cury

Como era de se esperar da Santa Cruz, os cubos são padrão Boost, suportando aros Race Face montados com pneu dianteiro Maxxis Minion 2.3 e Ardent Race 2.35. A bike testada veio com uma suspensão FOX 34 Float Performance e shock Fox Float Performance DPS. Para trocar as marchas, o grupo escolhido é SRAM GX Eagle de 12 velocidades.

Assim como muitas bikes da Santa Cruz, a Tallboy aposta no sistema VPP para controlar a movimentação da suspensão traseira. Por não possuir um pivô fixo, o VPP (ou Virtual Pivot Point) permite controlar com exatidão as forças que atuam na suspensão, com a promessa de dispensar assim o uso de travas.

Foto 67874
FOX 34 Float Performance 120   Pedro Cury
Foto 67876
O VPP da Santa Cruz   Pedro Cury
Foto 67875
Canote dropper RockShox Reverb   Pedro Cury
Foto 67878
Guidão de 720mm   Pedro Cury

O guidão de 720mm combinado a uma mesa de apenas 50mm acompanham as tendências atuais, sendo uma configuração bastante desejável para encarar terrenos técnicos com mais precisão na pilotagem.

Geometria

O modelo possui o tradicional chip de mudança de geometria da Santa Cruz. Neste caso, para adequar a geometria para pneus 29" ou para pneus Plus (27.5+). Testamos a bike com pneus 29".

Com esta configuração a Tallboy fica com 68 graus de caixa de direção. Além disso, no tamanho L testado, ela tem longos 450mm de alcance e traseira de 432mm - números consideramos modernos se comparados ao padrão atual.

O seat tube tem 73 graus de inclinação, um valor que já está começando a ficar ultrapassado. Atualmente, muitos fabricantes estão apostando em ângulos maiores para melhorar a capacidade de escalada da bike. A Blur, nova XCzeira pura da Santa Cruz, já utiliza um seat tube de 74 graus, por exemplo.

Impressões Iniciais

Foto 67997
Bike encara bem os obstáculos   Thiago Lemos

A Santa Cruz Tallboy possui um funcionamento bastante eficiente em diversas situações. Para atropelar o terreno, ela parece uma bicicleta de All Mountain. Porém, diferente de bicicletas desta categoria, ela também pedala muito bem, encarando subidas e planos com boa velocidade.

Foto 67885
Trechos planos podem ser percorridos em velocidade   Thiago Lemos

Assim como outras bikes da marca, a Tallboy é ágil, precisa e capaz, algo que verificamos em descidas repletas de pedras na Serra da Canastra. A bem da verdade, a bike aparente ter mais curso de suspensão do que realmente tem. Apesar dos seus 120 mm na frente e 100 mm atrás.

Foto 67998
Canote retrátil sempre bem-vindo   Thiago Lemos

Na pista de XCO de Araxá achamos o comportamento um pouco lento nos trechos mais inclinados, mas isso poderia ser resolvido com uma configuração de mesa e guidão mais voltada ao XC. Apesar disso, a suspensão VPP manteve o bob em um patamar mínimo, com a movimentação indesejada da suspensão aparecendo apenas em situações limite.

Comparando com com sua irmã maior, a Santa Cruz Hightower que já testamos por aqui, notamos uma plataforma muito mais firme em termos de movimento de suspensão, inclusive com um funcionamento mais evidente das regulagens do amortecedor traseiro.

Já para descer, a geometria bem acertada e o canote retrátil facilitam muito o trabalho do piloto - algo reforçado pelos excelente pneus, mesa curta e guidão largo. A boa amplitude de marchas nos permitiu encarar todas as situações sem apertos ou falta de cadência.

Conclusão

Com uma geometria ágil e capaz de encarar terrenos técnicos, a Tallboy encaixa-se na definição de "XCzeira com um espirito mais agressivo" proposta pela Santa Cruz, porém puxando mais pra uma bike trail. Mesmo sem ter muito curso, ela desce bem, encarando terrenos agressivos como uma bike de All Mountain com uma suspensão um pouco mais dura.

Foto 67999
Precisa mesmo devolver?   Thiago Lemos

Eficiente nos planos e nas subidas, a ela fica devendo um pouco em escaladas muito inclinadas. Este comportamento provavelmente poderia ser amenizado com a adoção de um cockpit e pneus mais XC.

Piloto: Pedro Cury - Strava

Vestuário: Camiseta AWS Active Razor azul, Bretelle ASW Active Razer azul, Luva ASW Active Fechada preta, capacete Lazer Magma, Sapatilha Specialized 2FO.

Para saber mais sobre a bike, acesse a página da Tallboy C Kit S 2018 no site oficial da Santa Cruz Brasil.


Fotos (1)

foto 0 -  Mais Fotos

Comentários

  • avatar

    Pedro Cury    Rio de Janeiro - RJ

    Pedro Cury    Rio de Janeiro - RJ

    Obrigado UTR!
    4 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    utR    Brasília - DF

    utR    Brasília - DF

    Reportagem bacana! No aguardo de outras na mesma pegada.
    4 mes(es) atrás - Denunciar




  • Relacionados