Por que a indústria de bicicletas abandou o aço ?


10 AGO, 2008     Guiné     2    



O PEDAL convidou o mestre Igor Miymura para esclarecer, ou melhor, responder essa pergunta que muitos querem saber a resposta.

Os ciclistas das antigas sabem muito bem do que se trata. Pois quem já teve uma bicicleta com o material de cromo molibidênio legítimo, sabe o que nós estamos falando. Isso sem falar dos cromos mais preciosos que encontramos no mercado atual.

Com vocês, a reposta de Igor Miaymura que virou um artigo!


"A resposta é simples, mas não é clara para a maioria. Os publicitários conseguiram fazer com que os consumidores enterrassem o aço de forma eficiente ao usar grandes hipérboles ao falar do alumínio, carbono entre outros.

Demorou bastante, mas conseguiram deixar os consumidores antigos sem opção e ao iludir os que chegavam naquele momento ao mundo das bicicletas.

imagem

:: Mas por quê isso?

Simples! O aço é o material mais antigo usado na construção de bicicletas. Um material com tanto tempo de uso chega ao seu limite de desenvolvimento, e consequentemente, ele não muda muito em pouco tempo, o que não dá justificativa para você trocar de bike ou quadro a cada temporada.

As evoluções no ciclismo existem, mas são lentas a ponto de não justificar uma troca anual de equipamento. Um quadro de carbono, por exemplo, tem sua vida útil limitada e muitos fabricantes colocam nos seus manuais, o tempo de vida desses quadros (e componentes também).

Somado a isso, existe o fato do aço ser mais caro de se manipular que o alumínio atualmente. Ferramentas de corte se gastam muitíssimo rápido que as de alumínio. E acreditem, essas ferramentas custam muito caro mesmo numa produção em massa. O aço também é mais denso que o alumínio e para deixá-lo leve é necessário máquinas e tecnologia que permitam o trabalho com margens de erro muito baixas.

Um tubo de aço para bicicletas pode chegar a ter 0.3 mm de parede contra os 0.9 dos alumínios mais finos e tops de linha.
Hoje em dia é muito fácil fazer quadros de alumínio leves, visto a densidade do material. Em contrapartida, a durabilidade desses quadros é menor e sua rigidez por vezes indesejável para quadros rígidos (sem suspensão) – em contrapartida, é na minha opinião o melhor material disparado para quadros full e uma boa maioria dos componentes da bike.

Pessoas que pedalaram muito tempo com bikes de aço têm extrema dificuldade para se adaptar a quadros de outros materiais, visto o comportamento previsível do aço, somado ao conforto e maneabilidade na direção.

Não estou dizendo que os outros materiais não permitam a construção de excelentes quadros, mas acredito firmemente que não existe material como o aço para um quadro de bicicleta rígido, por mais incrível que pareça. A fibra de carbono pode ser trabalhada para ser rígida em alguns pontos e maleável em outros, mas mesmo assim essa "elasticidade" é plástica e não se compara com a do aço.

Um material que se assemelha um pouco ao aço é o titânio, mas quadros de titânios realmente bons custam uma pequena fortuna. Quadros de titânio "populares" têm o comportamento muito próximo a quadros de alumínio, o que não justifica o investimento que também é alto.

Lógico que tudo o que foi relatado acima é referente a quadros de boa qualidade construtiva, pois não importa a matéria prima utilizada se o projeto e a qualidade da mão de obra não forem boas, o quadro terá comportamento medíocre."


Comentários


  • avatar

    Guine   

    Guine   

    Muito bom, João. Reamente o carbono tem vida útil . Principalmente quando usado em condições extremas, pois o MTB é extremo. Diferente do uso de carbono para moda, eletrônica, etc. A gente sempre vê quadros fadigando. Já falando de cromo, eu sou suspeito; tenho quatro bikes. Duas antigas e duas atualizadíssimas. Além de ter outras bikes de carbono e alumínio. Mas a preferência é sempre de cromo. Hehehe
    4 mes(es) atrás - Denunciar


  • avatar

    João Damasceno   

    João Damasceno   

    Muito interessante o artigo, só fiquei na dúvida com o trecho de que o carbono teria vida útil, quando eu pensava que a fibra de carbono seria pra vida toda. Já sobre os tradicionais quadros de aço, creio que de fato o lance seja publicitário mesmo, eu sinceramente não troco meu quadro aço 1045 por nenhum quadro de alumínio, e lhes digo uma coisa, os quadros de alumínio que tenho visto, são extremamente delicados, frágeis, já os quadros em aço tem uma longevidade impressionante, vejam por exemplo as Caloi 10 do início dos anos 70 e que estão até hoje rodando todo dia por aí...!!! Repito, não creio que os quadros em alumínio e carbono sejam tão necessários, tão fundamentais para se considerar uma compra.
    4 mes(es) atrás - Denunciar





  • Relacionados