MENU

Mundial de Paraciclismo de Pista 2024 - Rio de Janeiro - Dia 5 - Resultados

Campeonato define seis novos recordes mundiais, novos multicampeões e Grã-Bretanha como potência

O Mundial de Paraciclismo de Pista 2024 chegou ao fim neste domingo, no Velódromo do Rio. A edição teve seis recordes mundiais batidos e consolidou uma renovação da modalidade, com atletas muito jovens gabaritando suas categorias e se estabelecendo como as novas referências de suas classes. É o caso do francês Alexandre Léauté, na Classe C2 masculina, e de Xiaomei Wang, na C3 feminina. O neozelandês Devon Briggs, de apenas 20, é ainda o dono de dois novos recordes mundiais na C3 masculina.

Atletas chineses na disputa no Mundial de Paraciclismo de Pista 2024
Atletas chineses na disputa no Mundial de Paraciclismo de Pista 2024     Miriam Jeske


No último dia de disputas, o chinês Weicong Liang protagonizou um momento de grande superação e resiliência na pista do Velódromo do Rio. Ele sofreu uma queda e perdeu algumas voltas no Scratch da Classe C1 mas, ao invés de desistir, decidiu voltar à pista. Voou tanto que conseguiu o que parecia impossível: recuperar o tempo perdido e ganhar não só um, mas dois títulos mundiais (Scratch e Omnium). Antes disso, ele já tinha conquistado duas pratas, na perseguição individual e no contrarrelógio, e também chegou em segundo na Flying Start. As três provas foram vencidas por seu compatriota, Zhangyu Li. O espanhol Ricardo Ten Argiles, prata no Scratch, ficou com o bronze da Omnium.

A Classe C2 masculina, por sua vez, tem um novo campeão de tudo. O francês Alexandre Léauté venceu as últimas duas provas que disputou neste domingo e gabaritou a categoria. Na quarta-feira, ele já havia arrebatado o ouro da perseguição individual. Na quinta, cruzou em primeiro lugar a linha de chegada na Flying Start (Omnium). No sábado, além de vencer a prova, quebrou o próprio recorde mundial no contrarrelógio.
Atleta francês comemora no último dia no Mundial de Paraciclismo de Pista 2024
Atleta francês comemora no último dia no Mundial de Paraciclismo de Pista 2024     Miriam Jeske


Neste último dia, ele fechou sua participação com chave de ouro e venceu o único título mundial que havia lhe escapado no ano passado, o da Scratch, com autoridade. Léauté disparou na liderança assim que a disputa começou e, na metade, perdeu algumas posições e a disputa pareceu acirrada, especialmente contra os ingleses Matthew Robertson e Ryan Taylor. Mas o francês contou com o auxílio do companheiro de equipe Florian Chapeau para segurar a concorrência, recuperar seu posto, alcançar o pelotão por trás e interromper a prova.

“Usamos uma grande estratégia, eu e Florian [Chapeau]: um inglês para cada francês, e eu decidi começar na frente porque tenho a perna boa. Hoje foi muito bom para mim, conquistei muitos títulos e meu objetivo foi concretizado. Foram muitas corridas vencidas. Temos um bom treinador, uma boa estratégia de treino, e isso é ótimo para mim. Esse resultado não é só meu, mas de toda a equipe. Quanto aos Jogos Paralímpicos no meu país, não me sinto pressionado. Temos muitos pontos fortes na equipe e eu ganhei muitas corridas só pelo prazer de pedalar, e é isso também que quero dos Jogos: me divertir”, disse.

Publicidade


Outra a gabaritar sua classe foi a britânica Elizabeth Jordan, que, junto à pilota Danielle Khan, conquistou neste domingo o último ouro da Tandem feminina no Sprint. Elas já haviam vencido o contrarrelógio na quinta-feira e a perseguição individual no sábado. Jordan chegou ao Rio com uma medalha de prata na perseguição no Mundial de 2022, um ouro no sprint por equipes e um bronze no contrarrelógio em 2023. Agora, é a nova campeã mundial de todas as provas individuais da categoria, justo na estreia de uma nova dupla.

"Eu não esperava por esses resultados. Eu e Dani estamos começando uma nova parceria e tudo é muito animador nesse começo de uma nova jornada juntas, mas eu não imaginava que teríamos tanto sucesso já na nossa estreia. Tem sido muito emocionante”, comemorou.
Atletas disputam o último dia no Mundial de Paraciclismo de Pista 2024
Atletas disputam o último dia no Mundial de Paraciclismo de Pista 2024     Miriam Jeske


A Grã-Bretanha dominou a Tandem em ambos os naipes. Esta categoria tem grande parcela de responsabilidade no quadro de medalhas final, que teve os britânicos no topo com ampla vantagem. Lizzie, como é conhecida, vê o alto nível de competição nos treinos como um fator determinante para os resultados da equipe. Mesmo sendo grande favorita, ela planeja um passo de cada vez até chegar a Paris.

“Nós amamos nossos atletas Tandem e torcemos uns pelos outros. É maravilhoso ter os melhores do mundo como colegas de equipe porque, nos treinamentos, podemos incentivar uns aos outros, competir uns com os outros e isso nos estimula a sermos os melhores do mundo. Sobre Paris, bem, temos que conquistar a vaga primeiro (risos). Mas tudo é muito emocionante e espero que tenhamos um ano de muito sucesso juntas", projetou.

A Grã-Bretanha de Lizzie e Danielle terminou o Mundial com 27 medalhas (12 ouros, 13 pratas e 2 bronzes). Na sequência, vêm China com 16 (12 ouros, 3 pratas e 1 bronzes), França com 17 (10 ouros, 5 pratas e 2 bronzes), Austrália com 12 (4 ouros, 3 pratas e 5 bronzes) e Holanda com 6 (2 ouros, 1 prata e 3 bronzes). O Brasil ficou em 11º com duas pratas (Sabrina Custódia da Silva no contrarrelógio da C2 feminina e Lauro Chaman na perseguição individual da C5 masculina). A União Ciclística Internacional (UCI) considera o número de ouros, e não o de medalhas totais, como o padrão para estabelecer o ranking.
Atletas disputam o último dia no Mundial de Paraciclismo de Pista 2024
Atletas disputam o último dia no Mundial de Paraciclismo de Pista 2024     Miriam Jeske


Além das 16 disputas decididas neste domingo, a UCI promoveu, pela primeira vez, cinco provas de eliminação. A disputa ocorreu em caráter amistoso, como disciplina de exibição, e distribuiu medalhas, mas elas não integram o quadro oficial. Os atletas foram divididos em: classes C4-C5 femininas, classes C1-C3 femininas, classes C1-C2 masculinas, classes C3-C4 masculinas e classe C5 masculina. Nesta última, Chaman ficou em segundo.

O Campeonato Mundial de Paraciclismo de Pista 2024 é organizado pela Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC) e TBA Sports Management sob a supervisão da União Ciclística Internacional (UCI), com patrocínio do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), Shimano e Governo Federal, através do Ministério do Esporte. Além disso, conta com o apoio da Santini, Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro e da Federação de Ciclismo do Estado do Rio de Janeiro (FECIERJ).

Com informações da CBC


Relacionados

Comentários

Outras notícias

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando você concorda com a nossa política de privacidade.