MENU

Indústria produz 599 mil bicicletas em 2022

Impactado pela falta de insumos e readequação na cadeia logística, segmento registrou queda de 20,1% na comparação com o ano anterior

Release de imprensa
A produção de bicicletas das fabricantes instaladas no PIM (Polo Industrial de Manaus) registrou queda de 20,1% no ano passado. De acordo com dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo, 599.044 unidades saíram das linhas de montagem. Em 2021, foram produzidas 749.320 bicicletas.

Foto 81333


Segundo o vice-presidente do segmento de bicicletas, Cyro Gazola, as áreas de logística, compras e produção enfrentaram o seu ano mais desafiador. “Além do desabastecimento de peças e componentes, tivemos que ajustar o planejamento das unidades fabris para nos adequar à nova demanda do mercado, que pediu por modelos de médio e alto valor agregado”, explica.

Apesar desses ajustes nas linhas de produção, os estoques nas lojas e nos centros de distribuição continuaram abastecidos para atender ao consumidor. O executivo destaca que o segmento atingiu o seu auge durante a pandemia do coronavírus, quando a bicicleta se tornou a grande parceira para o lazer, nos deslocamentos e na interação com a família.

Dentro desse contexto, a bicicleta elétrica foi o grande destaque e única categoria que registrou alta no volume de produção. No ano passado foram produzidas 10.847 unidades, aumento de 5,4% na comparação com 2021 (10.294 bicicletas). Apesar de representar 1,8% do volume total de bicicletas produzidas no Polo de Manaus, o modelo está cada vez mais presente nas grandes cidades. “As pessoas que optam pelo pedal buscam um estilo de vida mais saudável e em sintonia com o meio ambiente. A bicicleta elétrica facilita isso, oferecendo agilidade nos deslocamentos e comodidade para vencer os obstáculos do percurso”, explica o vice-presidente do segmento de bicicletas.
Foto 81334


A região que mais recebeu bicicletas produzidas no PIM foi a Sudeste, com 366.198 unidades e 61,13% do total fabricado. Na sequência do ranking vieram as regiões Sul (104.616 bicicletas e 17,46% da produção), Nordeste (58.514 unidades e 9,77%), Centro-Oeste (38.808 bicicletas e 6,48%) e Norte (30.908 unidades e 5,16%).

As exportações fecharam o ano com 29.484 unidades, volume 3,8% superior ao embarcado em 2021 (28.414 bicicletas). Os países do MERCOSUL foram o principal destino, segundo levantamento do portal Comex Stat, que apura os embarques totais de cada mês, analisados pela Abraciclo. O Paraguai ficou em primeiro lugar, com 19.691 unidades recebidas e 66,8% do total exportado. Na sequência, ficaram Uruguai (4.657 bicicletas e 15,8% dos embarques) e a Bolívia (2.340 unidades e 7,9%).

Resultados em dezembro

Em dezembro, a fabricação de bicicletas totalizou 14.580 unidades, volume 42,5% menor ao registrado no mesmo mês de 2021 (25.370 bicicletas) e 72,6% inferior em relação a novembro (53.134 unidades).

A categoria mais produzida foi a Urbana/Lazer, com 5.892 unidades e 40,4% do volume total fabricado. Em segundo lugar, ficou a Moutain Bike (MTB), com 5.109 unidades e 35,0% da produção, seguida pela Infantojuvenil (1.764 bicicletas e 12,1%).

Publicidade



A região Sudeste foi a que recebeu o maior volume de bicicletas fabricadas no PIM. No total, foram enviadas 11.429 unidades, o que corresponde a 78,4% da produção. Na sequência, ficaram o Nordeste (1.182 unidades e 8,1% do total fabricado), Sul (1.031 bicicletas e 7,1%), Centro-Oeste (605 unidades e 4,1%) e Norte (333 bicicletas e 2,3%).

No último mês do ano passado, foram exportadas 2.278 bicicletas, retração de 54,1% na comparação com dezembro de 2021 (4.959 unidades) e de 62,5% em relação a novembro (6.067 bicicletas). As posições do ranking anual foram mantidas: Paraguai (1.487 unidades e 65,3% das exportações), Uruguai (337 bicicletas e 14,8%) e Bolívia (334 unidades e 14,7%).

Projeções para 2023

A Abraciclo estima que a produção de bicicletas em 2023 deverá totalizar 570 mil unidades, o que representa uma retração de 4,8% na comparação com o ano passado (599.044 bicicletas). “Ainda teremos muitos desafios pela frente, por isso nossa perspectiva é bem conservadora”, diz Gazola. O executivo reforça que um dos principais focos será a readequação do abastecimento das linhas de produção dos modelos de médio e alto valor agregado para atender ao novo perfil do consumidor.

Foto 81335


Ao avaliar o mercado, o vice-presidente do segmento de bicicletas acredita que uma série de promoções deverão ser realizadas no primeiro semestre para diminuir os estoques. “Tanto a indústria como os lojistas precisam melhorar a gestão e o fluxo do caixa”, afirma.

Gazola prevê que o segmento das bicicletas elétricas deverá seguir em alta. “O custo para o consumidor ainda é alto. Seria interessante criar incentivos para a aquisição do produto como já acontece em alguns países da Europa”, propõe. “Com isso, teríamos ganho de escala e a tendência de preços mais competitivos”, completa.


Relacionados

Comentários

Outras notícias

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando você concorda com a nossa política de privacidade.