home

Indústria de Bicicletas supera até Novembro a projeção de produção total de 2019

Volume apresentou alta de 19,6% em relação ao ano passado e consolidou o Polo Industrial de Manaus como maior produtor de bicicletas do Ocidente


16 DEZ, 2019         
     


A produção de bicicletas das fabricantes instaladas no Polo Industrial de Manaus – PIM somou 899.177 unidades de janeiro a novembro de 2019. O volume fabricado já supera a projeção anual apresentada pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo no início do ano, que era a de atingir 857 mil unidades.

Na avaliação de Cyro Gazola, vice-presidente do segmento de Bicicletas da Abraciclo, a alta demanda por produtos nacionais fez com que os números em 2019, mesmo antes do seu término, superassem as expectativas. “O fato de a projeção da produção anual ter sido superada já em novembro retrata claramente um crescimento consistente da demanda por bicicletas brasileiras de médio e alto valor agregado, que são fabricadas no Polo Industrial de Manaus”. Na avaliação do executivo, “o desejo de compra dos consumidores tem se intensificado diante da melhoria contínua da tecnologia e do nível de qualidade verificado nos produtos e marcas nacionais, que apresentam, ainda, preços mais acessíveis.”

Foto 74001
   Pedro Cury

De acordo com dados da entidade, o volume produzido nos 11 meses de 2019 representa uma alta de 19,6% na comparação com o mesmo período do ano passado (751.784 unidades). Com estes números, o Polo Industrial de Manaus consolida sua posição como o maior centro gerador de bicicletas entre todos os países do Ocidente, ficando atrás apenas da concentração fabril que ocorre no Sudeste Asiático.

Ainda de acordo com a Abraciclo, somente em novembro saíram das linhas de produção do PIM 79.137 bicicletas, correspondendo a uma queda de 5,5% em relação ao mesmo mês de 2018 (83.726 unidades) e de 32% na comparação com outubro do presente ano (116.301 unidades).

RESULTADOS POR CATEGORIA

A categoria mais produzida em novembro foi a Mountain Bike (MTB) com 46.291 unidades, significando um aumento de 3,4% ante as 44.769 bicicletas produzidas no mesmo mês do ano passado. Na comparação com outubro do presente ano houve queda de 10,7% (51.818 unidades).

Na segunda posição do ranking ficou a categoria Urbana, com 20.225 unidades, o que representa queda de 20,6% em relação a novembro de 2018 (25.480 unidades) e de 48,3% na comparação com o mês passado (39.084 unidades).

Com 11.468 bicicletas fabricadas, a Infanto-Juvenil ocupou o terceiro lugar do ranking. Esse volume representa uma diminuição de 8,9% ante as 12.587 unidades produzidas em novembro de 2018 e de 52,3% na comparação com outubro de 2019 (24.040 unidades).

Em quarto lugar ficou a Estrada, com 955 unidades, correspondendo a um crescimento de 7,3% em relação ao mesmo mês do ano passado (890 unidades) e de 3,8% quando comparado a outubro do presente ano (920 unidades).

Na sequência do ranking veio a categoria Elétrica, que passou a ser incluída no levantamento da Abraciclo este ano. Foram produzidas 198 unidades, com recuo de 54,9% frente a outubro (439 unidades).

No acumulado do ano, as posições foram mantidas: Mountain Bike (MTB) com 425.372 unidades e 47,3% de participação; Urbana (330.235 unidades e 36,7% de participação), Infanto-Juvenil (132.309 unidades e 14,7%), Estrada (8.555 unidades e 1%) e Elétrica (2.706 unidades e 0,3%).

Foto 73999
   Divulgação

Características básicas das bicicletas de cada categoria:

Urbana/Recreacional – caracterizada pelas bicicletas projetadas para mobilidade urbana ou recreação fora da terra. Para isso, oferecem maior conforto, com posição de pedalar mais confortável, amortecimento frontal ou não, pneus slick (com banda lisa) e semi-slick (banda com cravos bem baixos ou desenhos), para-lamas ou não e luzes de segurança.

Mountain Bike (MTB) – bicicletas destinadas ao público adulto, geralmente com aros de 26 a 29 polegadas, quadros full-suspension e/ou amortecimento frontal. Ideais para o uso em trilhas e terrenos acidentados.

Estrada – bicicletas com aro de 700 milímetros, pneus estreitos slick e quadro e garfo sem amortecimento. Destinadas às modalidades de performance no asfalto.

Infanto-Juvenil – bicicletas destinadas ao público de oito a 15 anos, nas quais o tamanho do aro varia entre 20, 24 e 26 polegadas.

Elétrica – inclui bicicletas com aros de 20 até 29 polegadas, de uso urbano/recreacional e Mountain Bike (MTB), que atendem às determinações da Resolução nº 465/2013 do Conselho Nacional de Trânsito – Contran, a saber: potência máxima de 350 watts, funcionamento do motor somente quando o condutor pedala (tipo Pedelec), não dispõem de acelerador ou de qualquer outro dispositivo de variação manual de potência e têm velocidade máxima de 25 km/h, com corte do funcionamento do motor a partir desta aceleração.

No acumulado do ano, a região que recebeu o maior volume de bicicletas produzidas no PIM foi a Sudeste, com 510.474 unidades e 56,8% de participação. Na sequência, vieram Sul (163.402 e 18,2%), Nordeste (109.337 e 12,2%), Norte (68.276 e 7,6%) e Centro-Oeste (47.688 e 5,3%).

As posições foram mantidas no ranking mensal. A região Sudeste recebeu 43.964 bicicletas em novembro, correspondendo a uma queda de 7,8% em relação ao mesmo mês de 2018 (47.673 unidades) e de 32,3% na comparação com outubro do presente ano (64.960 unidades). A região Sul ficou em segundo lugar, com 16.822 unidades, significando uma alta de 5,1% ante as 16.006 bicicletas recebidas em novembro de 2018, mas queda de 40,6% na comparação com outubro do presente ano (28.323 unidades). Em seguida, veio a região Nordeste, com 10.978 unidades, correspondendo a uma queda de 19,6% em relação ao mesmo mês de 2018 (13.652 unidades) e de 24,5% na comparação com outubro do presente ano (14.544 unidades).

A região Centro-Oeste ficou em quarto lugar com 3.770 unidades, representando um recuo de 9,4% em relação a novembro de 2018 (4.160 unidades) e de 36% na comparação com outubro do presente ano (5.894 unidades). Já para a região Norte, foram enviadas com 3.603 bicicletas, volume 61,2% superior ao registrado em novembro de 2018 (2.235) e de 39,7% ante as 2.580 unidades registradas em outubro do presente ano.

IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO

De acordo com dados do portal de estatísticas de comércio exterior Comex Stat analisados pela Abraciclo, no acumulado do ano a importação de bicicletas em todo o território nacional somou 69.067 unidades, volume 36,7% inferior ao registrado no mesmo período do ano passado (109.031 unidades). A China lidera esse ranking (52.437 unidades e 75,9% de participação), seguida por Taiwan (9.808 unidades e 14,2%) e Portugal (2.390 unidades e 3,5%).

Em novembro, a importação de bicicletas somou 16.058 unidades em todo o território nacional. A maioria delas veio da China (14.352 unidades e 89,4% de participação). Na sequência, foram importadas bikes de Taiwan (1.139 unidades e 7,1%) e Vietnã (264 unidades e 1,6%).

Os dados do portal Comex Stat referentes às exportações de bicicletas também foram analisados pela Abraciclo. De janeiro a novembro, foram exportadas 12.712 bicicletas, aumento de 2,6% em relação às 12.391 unidades registradas no mesmo período do ano passado. O principal destino das bicicletas produzidas no PIM foi a Argentina, com 3.868 unidades e 30,4% de participação, seguida pelo Paraguai (3.417 e 26,9%) e Chile (2.679 e 21,1%).

A exportação de bicicletas produzidas em todo o território nacional somou 2.074 unidades somente em novembro. O principal parceiro comercial foi o Paraguai, com 1.108 unidades e 53,4% de participação. Na sequência, vieram Bolívia (940 unidades e 45,3%) e Guiana (25 unidades e 1,2%).


Comentários



Relacionados


Mais Notícias