| PEDAL | HOME | ARTIGOS | BIKES | TESTES | COMUNIDADE | CLASSIFICADOS | FORUM | FOTOS | VIDEOS | NOTICIAS | TRILHAS | SERVICOS | CONTATO | + |
Fórum Início Fórum Início > Fóruns Novos - Outras Categorias > Cicloturismo e Touring - Viagens de bicicleta
  Tópicos recentes Tópicos recentes RSS Feed - Recomendações para cicloturistas iniciantes
   [REGRAS]    Ajuda Ajuda  Procurar no fórum   Registrar Registrar  Entrar Entrar

Recomendações para cicloturistas iniciantes

 Responder Responder
Autor
Mensagem
  Tópico Procurar Tópico Procurar  Opções do Tópico Opções do Tópico
Manwl Ver Drop Down
Avatar

Registrado: 04 Abr 2017
Recife
Desconectado
Mensagens:6
Opções de Post Opções de Post   Obrigado! (4) Obrigado!(4)   Citação de Manwl Citação de  ResponderResposta Link direto para este Post Tópico: Recomendações para cicloturistas iniciantes
    Enviado: 04 Abr 2017 as 02:32
Olá, entre 04/01/16 e 06/03/16 viajei 2600km entre Puerto Montt e Ushuaia numa Caloi supra que imagino ser de 2002, pois comprei usada e não tenho certeza quanto ao ano, e acredito que seria de utilidade do fórum as informações que coletei quanto aos equipamentos utilizados nesta viagem. Irei me resumir a bicicleta para não perder o foco do fórum.

1- Em relação a bicicleta: como já dito, a bicicleta foi comprada usada, no olx, por 600 reais, veio em boas condições pois o dono antigo não dispunha de tempo para pedalar. Na época eu não tinha tantos conhecimentos técnicos sobre bicicletas e muito menos o dinheiro para comprar uma adequada as minhas necessidades, então tive que adaptar o que tinha.

2- Em relação as modificações: após um 6 meses de uso decidi que iria fazer a patagônia com a bicicleta e comecei a estudar quais melhorias deveria fazer para garantir minha viagem e aqui vão minhas impressões:

-O movimento central foi trocado por um shimano UN26 selado (a troca foi feita mais de um ano antes da viagem e já deve ter mais de 4000km). Nunca tive problemas com o movimento anterior mas li em fóruns que era um genérico simples e não quis correr riscos. Até agora continuo com o movimento central sem problemas.

-A suspensão foi trocada por um garfo rígido Mosso. Esse é um tópico que merece uma atenção especial. Durante a viagem encontrei ciclistas dos mais variados países viajando com e sem suspensão, todos com bicicletas infinitamente mais caras que a minha, e pude chegar a uma conclusão que acredito ser bem consistente. A suspensão é TOTALMENTE DISPENSÁVEL quando o intuito a viagem é... viajar? A verdade é que vi suspensões com trava quebrada (Rockshock), com retorno extremamente lento e algumas que já não tinham mais nem recuperação. O que acontece é que quando carregamos a bicicleta de equipamentos e pedalamos em estradas de terra por 6+ horas a velocidade media se torna muito baixa para que a suspensão faça alguma diferença, de quebra pegamos chuva, lama e subidas o suficiente pra exigir uma manutenção diária a qual os ciclistas não estavam dispostos a realizar (ou não possuíam as ferramentas, afinal, peso pesa bastante =B). Outro motivo pertinente e desfavorável as suspensões é o peso mas essa parte eu vou explicar com mais detalhes mais na frente. Por fim, não é atoa que as bicicletas Surley, famosas para cicloturismo, não possuem suspensão!

-O guidao original de MTB também foi trocado por um borboleta por conta do meu bikefit. Como disse, essa bicicleta não foi a ideal mas a que tinha disponível, por conta disso coloquei o guidão borboleta para trazer os manetes mais próximos ao meu corpo e tentar contornar o problema do quadro grande demais para mim. Sobre o guidão, ele junto com as luvas acolchoadas foram as minhas suspensões pois as vibrações do terreno eram amenizadas. O formato longo e curvado do guidão borboleta pode proporcionar mais do que diferentes pegadas, ele também pode ser um aliado na dissipação de vibraçõesdo solo.

-Os freios foram substituídos por V-breaks shimano Altus e pastilhas de alta qualidade para chuva e lama. Esse ponto obviamente levanta a questão "V-break vs Disco" para cicloturismo e o máximo que posso deixar aqui é a minha OPINIÃO. 
Hoje, SE eu tivesse milionário, compraria um freio a disco hidráulico da melhor marca e colocaria na minha bicicleta.
Hoje, tendo um orçamento apertado, eu estou montando uma nova bicicleta para cicloturismo com freios V-break.
É clara a eficiência dos freios a disco, principalmente em chuva, em relação aos v-breaks, mas o que define o uso de um componente é o custo-benefício e não simplesmente sua eficácia. Os freios V-breaks de qualidades são mais baratos, tem mais fácil manutenção e possuem uma maior facilidade de reposição de peças (sim, quando você tá no meio de lugar nenhum é melhor precisar comprar uma sapata de freio V-break do que um disco de freio) e são mais que suficientes para o uso em cicloturismo (uso não competitivo). Caso você disponha de dinheiro e o conhecimento técnico para utilizar um freio a disco de qualidade, USE!! Equipamento bom junto com conhecimento técnico não vão te deixar na mão. Se você pode pagar então por que não usar?   

-Os pedais foram trocados por um modelo de plataforma rolamentados. Recomendo modelos rolamentados e que não sejam de plastico por motivos óbvios.

-Um velocímetro chines de R$ 8 foi utilizado. Era útil saber a quilometragem rodada, que estava por rodar, velocidade media, velocidade instantânea entre outros, isso te ajuda a planejar a viagem e ter noção do seu desempenho pessoal. O velocímetro morreu 2 semanas antes do fim da viagem, ainda não sei se por falta de pilha ou se por morte "morrida", não procurei saber ainda, mas recomendo um velocímetro um pouco mais confiável.

3 - Em relação ao sistema de transmissão: catraca, corrente e coroa foram trocados 1 semana antes da viagem por conta do desgaste natural destas peças. A corrente e a coroa instaladas foram iguais as originais (48-38-28), a catraca nova era uma MegaRange (14-34t). Esse é um outro ponto que merece atenção especial, afinal, qual a relação ideal para cicloturismo? 
O corpo humano funciona como um motor e, como tal, possui um ponto de máxima eficiência que está por volta de 1 pedalada completa por segundo. O sistema de marchas ajusta a relação velocidade X aceleração de modo a manter o ciclista em sua máxima eficiência durante  todo o percurso. Estabelecido o ponto de funcionamento do ciclista, devemos agora estabelecer as velocidades máximas e minimas desejadas para a bicicleta.
A velocidade mínima para uma bicicleta de cicloturismo deverá ser baseada na velocidade de caminhada de uma pessoa (+ ou - 3,7km/h), afinal, se pedalar é mais devagar que caminhar então compensa mais subir a ladeira empurrando. Agora vamos para a matemática: (menor relação) 28/34 = 0,82 o que significa que na relação mais baixa uma volta completa do pedivela faz o pneu traseiro rodar 82% de uma volta completa (menos que uma volta completa). Como meu pneu tinha uma circunferência de 2,05m * 0,82 = 1,68m/s que é a mesma coisa que 6km/h. Pode-se notar que seria melhor se houvesse uma outra relação ainda mais leve, que me permitisse seguir a 5km/h. De fato, durante a viagem eu senti falta de uma relação mais baixa para subidas longas e ingrimes mas devo dizer que a catraca MegaRange é uma alternativa MUITO BOA E BARATA para cicloturismo!!
Agora, para determinar a velocidade máxima devemos seguir o mesmo processo: (maior relação) (48/14)*2,05m= 7,03m/s = 25,3km/h. Confesso que também senti a necessidade de um pouco mais de velocidade quando cheguei na argentina e tive estradões de asfalto com vento a favor, seria bom ter um pouco mais de relação para atingir velocidades mais altas.
A conclusão que chego é que uma relação de 24 marchas com MAX 48/11 e MIN 28/36 seja algo mais eficiente PARA ARO 26, creio que isso possa ser atingido utilizando o grupo Tourney tx800.

4 - Em relação aos câmbios: Sistema original shimano Tourney da década passada!!!!!! Sim!! E digo mais, sem NENHUM PROBLEMA!!! Isso de "Acera pra cima" é coisa de fresco (briks =P). Brincadeiras a parte, fiz uma manutenção no câmbio depois de 1300 km rodados e só. Recomendo o shimano Tourney tx800, que é a nova geração tourney com 24v pois acredito que atualmente essa seja a melhor relação custo X beneficio em termos de cicloturismo. Acredito também que 24v tenha a melhor relação custo beneficio PARA CICLOTURISMO, independente da linha, uma vez que ao aumentar o numero de velocidades, também se aumenta custos de corrente, cambio e cassete.

5 - Em relação as rodas: desde que comprei a bicicleta, já usada, utilizo pneus Kenda semi slick 1.95, aquelas com o meio liso e as laterais com cravo. Utilizei esses pneus por 1 ano treinando e durante toda a viagem sem troca-los. Atualmente o pneu traseiro apresenta uma rachadura grande e precisa ser trocado, não sei se isso ocorreu devido ao peso durante a viagem, por variações de temperatura ou por má qualidade da borracha utilizada mas quanto a sua eficiência, digo que foi muito bom em todos os terrenos que peguei durante a viagem. Hoje, planejo testar novos pneus,híbridos, pois gostei da eficiência em diferentes terrenos.

6 - Em relação aos bagageiros: cometi o erro de utilizar um bagageiro de alumínio caseiro que quebrou no terceiro dia de viagem rsrs.... Meu irmão concertou o bagageiro com 2 pedaços de bambu e um elástico de bagageiro de moto e assim eu cheguei até Ushuaia (hu3h3uh3u3 BRBRBR!!!). Recomendo fortemente a compra/fabricação de bagageiros adequados para cicloturismo. Infelizmente não tenho um modelo ou marca específica para recomendar uma vez que não utilizei nenhum bom. Por favor, não cometam o mesmo erro que eu!!!

7 - Em relação aos alforges: Não utilizem aqueles modelos de alforge único com varios bolsos como eu fiz, eles são descartáveis, optem por modelos em pares que possam ser removidos individualmente, de preferência frontais e traseiros. Os alforges que podem ser removidos individualmente e de maneira rápida vão facilitar infinitamente a organização e comodidade da sua viagem. Parece bobagem mas depois de 100km de pedal é muito bom tirar uma bolsa da sua bike com todos os apetrechos de dormir já prontos ao invés de se levantar a cada minuto para pegar algo que esqueceu no alforge. Vá por mim, eu não colocaria esse ponto aqui se acreditasse ser supérfluo.
Outro ponto importante é quanto a impermeabilidade dos alforges, você deverá garantir que suas coisas permaneçam secas durante toda a viagem!
Sabendo do preço de alforges bons, aqui vão minhas dicas:

-Faça você mesmo: há tecidos impermeáveis de qualidade no mercado, assim como lonas de caminhão ou aquelas utilizadas em banners, acredito sim ser possível fazer um alforge de qualidade utilizando esses materiais pois já vi outros ciclistas fazerem o mesmo
-Compre aqueles alforges chineses que eu recomendei que não comprassem. Eles são descartaveis mas podem ser utilizados com bastante eficiência em viagens de curta duração e com poucas intempéries.
-Você pode utilizar sacos de lixo para manter suas coisas secas dentro de alforges não impermeáveis.
-Compre tecido e faça um alforge central para o quadro da bike. Com uma posição estratégica, esse alforge não desestabiliza a bicicleta independentemente do peso que se colocar!
-Caso não tenha dinheiro para um alforge+bagageiro dianteiro amarre barraca ao guidão ou garrafas de água ao garfo. É importante distribuir o peso para a bicicleta não empinar!

Essas são as dicas que me vem a cabeça nessa madrugada de terça-feira, qualquer duvida é so perguntar!

Para fotos acessem meu instagram (a)manel.drds
Voltar para o topo
Manwl Ver Drop Down
Avatar

Registrado: 04 Abr 2017
Recife
Desconectado
Mensagens:6
Opções de Post Opções de Post   Obrigado! (2) Obrigado!(2)   Citação de Manwl Citação de  ResponderResposta Link direto para este Post Enviado: 04 Abr 2017 as 02:57
Esqueci de falar!!

8- Em relação ao tamanho do aro: fui com uma bike 26 porque era o que tinha mas acredito serem a melhor opção pelos seguintes motivos:

-Facilidade de se encontrar peças de reposição, como raios e câmaras de ar;
-Pouca diferença de desempenho para cicloturistas ao se comparar com aros 27,5 e 29 mas consideravelmente mais barata;
-Menor peso para uma bicicleta de mesmo valor ao se comparar com aros 27,5 e 29. E por que isso seria tão importante??? Porque eu evitei de pagar mais de 300 reais em excesso de peso porque minha bicicleta pesava 11kg. Obvio que há bicicletas aro 29 que pesam menos que isso mas para uma pessoa que pagou R$ 10000 em uma 29 de carbono, R$ 300 de excesso de peso não é nada. Para mim, que sou estudante de engenharia e ainda não estou montado na grana R$300 é o equivalente a uma semana viajando!

Voltar para o topo
csrocha Ver Drop Down
Avatar

Registrado: 09 Jul 2013
Guará I - DF
Desconectado
Mensagens:292
Opções de Post Opções de Post   Obrigado! (0) Obrigado!(0)   Citação de csrocha Citação de  ResponderResposta Link direto para este Post Enviado: 04 Abr 2017 as 12:41
Cicloturismo, para quem quer fazer cicloturismo, não exige equipamento especial ou top, usa quem pode.

Minha bike é uma Caloi Sport Comfort, na qual troquel apenas os aros para Vzan Extreme, o câmbio para Altus e o pedivela Acera, recentemente. Uso relação 42-32-22 e 13-32. Sou fraco em subidas, por isso prefiro essa configuração. Velocidade não tenho, mas não importa, aproveito as descidas de serra para fazer 60 km/h...

Pneus, uso Kenda 816 ou 819 se for pegar trechos de terra e acostamento péssimos, ou então uso o Levorin Terral, misto, para asfalto. Duram uns 5.000 km, pelo preço, tá muito bom. 

Ah, o aro é 26.

Bagageiro sem marca de alumínio atrás e um desses de 15 reais de aço na frente, só quanso levo barraca, muito raro. Carrego pouca bagagem.

AGORA.... para condições extremas, é claro que eu iria sofrer muito na Patagônia ou lá pelo Atacama. Felizmente minhas viagens são curtas, a mais longa foi de Brasília a Laguna-SC, 2400 km.


Pedalando pelo estado de SP: pedalbyrocha.blogspot.com.br.
Voltar para o topo
Ligeirinho Ver Drop Down


Registrado: 23 Set 2006
-
Conectado
Mensagens:1148
Opções de Post Opções de Post   Obrigado! (0) Obrigado!(0)   Citação de Ligeirinho Citação de  ResponderResposta Link direto para este Post Enviado: 05 Abr 2017 as 10:36
Muito interessante as observações do Manwl. Quanto a suspensão sempre paira a dúvida se melhor g. Rígido ou suspa. Penso que sistemas mais complexos como suspa trazem conforto mas tbm mais riscos de perrengue. Em ambientes isolados como VC andou G. Rígidos talvez sejam melhor solução. Duvida é achar bons garfos preferencias de cromo ou aço carbono que se adaptem aos quadros modernos. Se for quadro dec. 90 fica mais fácil achar pela geometria diferente das atuais.  Simplicidade técnica e robustez devem ser então os indicadores? O garfo de alumínio não é mais duro e mais frágil tbm. Ou não? Vale ainda carregar uma suspensão pelos benefícios q oferece? O q acham? Seria bom ouvir outros depoimentos.
Voltar para o topo
Ligeirinho Ver Drop Down


Registrado: 23 Set 2006
-
Conectado
Mensagens:1148
Opções de Post Opções de Post   Obrigado! (0) Obrigado!(0)   Citação de Ligeirinho Citação de  ResponderResposta Link direto para este Post Enviado: 05 Abr 2017 as 10:43
Outra coisa diz respeito ás marchas. Tem q fazer as contas mas Manwl tu não acha Pedivela 48 38 28 muito pesada não? Apoio totalmente a opção por 8V. Já ouvi cicloturista s em viagem dizerem encontrar pessoal em viagem com corrente 9V estourada. Dead
Penso q Pedivela compacta 42 32 22 não seria melhor pedida com cassete 8V  11-34  Megarange ou catraca 14-34 tbm Megarange? Sua vivência preciosa na estrada pode dizer. Thumbs Up
Voltar para o topo
Manwl Ver Drop Down
Avatar

Registrado: 04 Abr 2017
Recife
Desconectado
Mensagens:6
Opções de Post Opções de Post   Obrigado! (0) Obrigado!(0)   Citação de Manwl Citação de  ResponderResposta Link direto para este Post Enviado: 05 Abr 2017 as 14:35
O tamanho do pedivela vai de acordo com o condicionamento físico e a capacidade de cada ciclista em minimizar sua bagagem. Não comecei a viagem já condicionado, adquiri força no decorrer da viagem, ainda por cima, por ter um equipamento simples e eficiente, não carregava muito peso, dessa forma pude pedalar com uma relação mais pesada sem muitos problemas.

Acredito que a relação ideal para cicloturismo seja a com maior alcance da marcha mais leve para a mais pesada, por isso indico o megarange. No fim das contas todos os ciclistas na carretera austral tinham um ditado "tudo que não se pedala, se empurra".

Quanto ao garfo, vi uns ciclistas com aro 29, boa suspensão e pneu balão que viajavam sem equipamentos, apenas com cartão de credito e roupas. A dica de garfo rígido que passei aqui é para ciclo turistas tradicionais que carregam a casa nas costas e não estão preocupados com o tempo. Quanto ao material, alumínio, meu garfo Mosso, de alumínio, apresenta 0 defeitos após mais de 1000km de terra. Infelizmente, nunca usei um garfo de carbono para comparação mas acredito sim que os quadros/garfos de alumínio sejam suficientemente confiáveis para a pratica.

Sobre o numero de velocidades, a maior parte do ciclistas tinham 27+ velocidades. Talvez a algum tempo atrás os câmbios de 27+v não fossem duráveis o suficiente mas acredito que hoje em dia isso não seja mais um fator determinante. Penso algo similar dos freios a disco, que daqui a alguns anos eles terão preço e manutenção bons o suficiente para apagar os v breaks mas por hora eu prefiro a segunda opção.

Quando estava em Tolhuin, uma cidade antes de ushuaia, encontrei um equatoriano que viajava há 2 anos em uma bicicleta daquelas do Carrefour de 18v e sem UM CENTAVO no bolso, dai eu aprendi que melhor bicicleta para cicloturismo é a que você já tem.
Voltar para o topo
Manwl Ver Drop Down
Avatar

Registrado: 04 Abr 2017
Recife
Desconectado
Mensagens:6
Opções de Post Opções de Post   Obrigado! (0) Obrigado!(0)   Citação de Manwl Citação de  ResponderResposta Link direto para este Post Enviado: 05 Abr 2017 as 14:41
Aaah! Usei uma catraca megarange de 7v 14-34
Voltar para o topo
thisouz Ver Drop Down


Registrado: 19 Mar 2013
São Paulo
Desconectado
Mensagens:85
Opções de Post Opções de Post   Obrigado! (0) Obrigado!(0)   Citação de thisouz Citação de  ResponderResposta Link direto para este Post Enviado: 05 Abr 2017 as 15:36
Concordo com essa questão do garfo rígido de alumínio dar conta do recado.

Fiz o caminho velho da estrada real com um garfo rígido de alumínio tranquilo. Cheguei a ler aqui no fórum que seria impossível fazer esse roteiro sem suspensão. Como sou teimoso fui de garfo rígido de alumínio e pneu 700x38c (relativamente fino pra prática) e fui sem problema algum.

Não sou nenhum atleta (nem mesmo amador), também peguei condicionamento durante a viagem e como dito acima pelo colega o ritmo de cicloturismo é outro, assim, a suspensão não chega a ser um item indispensável. 

Belo tópico e ótimas dicas!

Valeu!
Voltar para o topo
anarcoc12 Ver Drop Down
Avatar

Registrado: 23 Mar 2015
RS
Desconectado
Mensagens:32
Opções de Post Opções de Post   Obrigado! (0) Obrigado!(0)   Citação de anarcoc12 Citação de  ResponderResposta Link direto para este Post Enviado: 06 Jun 2017 as 15:50
Muito boas as dicas. E a frase "a melhor bicicleta pra cicloturismo é a que você já tem" é quase perfeita. Só penso que se a bike que você já tem é muito cara, eu evitaria hehe Na minha opinião, bikes muito tops não combinam com cicloturismo pelo fato de chamarem atenção demais. Quem viaja e acampa em lugares nem sempre tão seguros, uma bicicleta mais simples evita maiores dores de cabeça. Será que é isso mesmo ou estou errado?
Voltar para o topo
Manwl Ver Drop Down
Avatar

Registrado: 04 Abr 2017
Recife
Desconectado
Mensagens:6
Opções de Post Opções de Post   Obrigado! (0) Obrigado!(0)   Citação de Manwl Citação de  ResponderResposta Link direto para este Post Enviado: 26 Jul 2017 as 08:47
As vezes a aparência conta mais que o preço em si. Quadros bons sem decalque ou peças meio sujas com aparência de velhas alem de uma fita de guidão meio velha tornam a bike muito menos desejada.
Voltar para o topo

 Responder Responder
  Compartilhar   


Ir para Permissões do Fórum Ver Drop Down

Forum Software by Web Wiz Forums® version 11.06
Copyright ©2001-2016 Web Wiz Ltd.