home

Ex-diretor da Sky admite que medicamentos controlados foram utilizados para obter vantagem


19 NOV, 2017     Gustavo Figuereido    



Shane Sutton, ex-diretor técnico da Sky e da seleção britânica de ciclismo afirmou em uma recente entrevista que medicamentos de uso controlado foram utilizados por atletas para obter vantagem competitiva, mas que seu uso não infringiu nenhuma regra.

Foto 65924

A entrevista faz parte do filme "Britain’s Cycling Superheroes: the Price of Success", documentário que investiga a controvérsia que começou quando um grupo de hackers vazou informações médicas de diversos atletas, inclusive de Bradley Wiggins. Na ocasião, descobriu-se que o britânico teria utilizado medicamentos com poderosos efeitos dopantes antes de importantes provas em 2011, 2012 e 2013.

Segundo Sutton, as TUEs - liberação médica para uso de medicamentos normalmente proibidos - podiam ser utilizados para colocar atletas em perfeitas condições de competir. "Se você tem um atleta que está em 95% graças a uma lesão ou doença, você pode usar uma TUE para que ele fique em 100%, e nós fazíamos isso naquela época.

"O negócio do ciclismo é encontrar vantagens sobre seus oponentes para poder vencer, mas nós definitivamente não cruzamos a linha do que é proibido", disse Sutton, explicando que o sistema permitiam o uso das TUEs.

Vale lembrar que, em 2013, a WADA e a UCI mudaram as regras para a utilização das exceção para uso terapêutico de medicamentos proibidos, o que teria reduzido bastante os supostos casos abusos vistos no pelotão.

Na semana passada, Wiggins, Sky e Federação Britânica de ciclismo foram inocentadas depois de uma longa investigação sobre um pacote de conteúdo desconhecido recebido pela equipe durante o Critérium du Dauphiné 2011.


Comentários



Relacionados