home

Diário da Raiza 2018 - A Copa do Mundo de Albstadt


24 MAI, 2018     Gustavo Figueiredo     1    
     


Confira o relato feito por Raiza Goulão sobre sua participação na Copa do Mundo de Albstadt.

Um fim de semana com muitas novidades, em uma pista que fica muito perigosa quando chove.
Apesar de ser conhecido como um dos percursos menos técnicos dentre as etapas da Copa do
Mundo, essa prova mostrou o contrário.

Foto 67897
   Matthew de Lorme

A grande novidade foi a estreia do Short Track (XCC) na sexta feira, prévia da prova de XCO com
as 40 atletas mais bem classificadas no ranking, que define o grid de largada e oferece importantes
pontos para o ranking da WC.

Chegamos em Albstadt na quarta à noite e só consegui ir na pista na quinta. Estava muito frio e
chuvoso, o que deixou a pista muito escorregadia. As condições pareciam com a pista do
Panamericano da Colombia quando também chegamos lá. Neste primeiro treino de reconhecimento,
a luta foi por se manter na bike sem cair.

O sol deu as caras na sexta feira e a pista ficou menos desconfortável, porém foi o dia do XCC e
encarei a prova sem ter feito um treino neste circuito reduzido. Foi uma prova de pura explosão e
não consegui encontrar um bom ritmo. Cometi um erro na largada e fiquei para trás. Acabei ficando
presa no tráfego em 2 pontos na primeira volta, o que desconectou dos pelotões da frente. Foi uma
sensação de frustração grande e acabei perdendo a concentração e fazendo uma prova muito ruim,
mas levo lições importantes para os XCCs das próximas etapas.

Foto 67898
   Matthew de Lorme

No sábado já com uma pista mais seca, ainda tinham alguns pontos bem escorregadios, porém todos
pedaláveis. Consegui realizar um treino mais tranquilo e retomar um pouco a confiança.

Agradeço o meu coach Flavio Magtaz pelo apoio no sábado à noite, por me ajudar a retomar o foco
e a concentração. Estabelecemos objetivos desafiadores, porém realistas diante das condições que se
apresentavam, já que voltou a chover e o percurso voltaria a ficar muito difícil para mim.

Após uma boa largada, tentei me manter entre as top 20, mas senti o esforço e a pista apresentava
trechos muito escorregadios e perigosos. Muitas atletas caíram e pela primeira vez em minha
carreira de atleta de elite, tive que fazer a linha B durante toda a prova, o que me fez perder bastante
tempo em relação às atletas europeias mais acostumadas com estas condições. No único momento
em que decidi encarar um drop para buscar 2 posições tive uma queda bem feia. Felizmente não tive
lesões e só precisei levantar e arrumar a bike, mas isso me custou 3 posições.

Foto 67899
   Matthew de Lorme

Usei pneus de chuva Mitas Hyperion, que funcionaram muito bem enquanto a bike não acumulou
muito barro com pedras pequenas no downtube, perto do pedivela. Isso acabou freando a roda
traseira e atrapalhando a tração, sem contar as paradas necessárias para tentar limpar um pouco.
Consegui finalizar na 28° posição, não satisfeita com minha performance, mas feliz de ter saído
inteira e não ter me machucado. Saio de Albstadt com a conclusão de que preciso treinar mais
nessas condições, já que o resultado foi consequência das minhas limitações técnicas em pistas
muito escorregadias.

Agora o negócio é olhar para frente, filtrar os aprendizados e recuperar bem pois já temos mais uma
etapa da Copa do mundo logo aí.

Agradeço minha equipe PMRA Racing Team por todo o suporte.
[/italiaco]


Comentários

  • avatar

    Jean Pedro   

    Jean Pedro   

    Sensacional essas matérias do Diário da Raiza, uma atleta incrível e que merece respeito, comecei a pedalar a cerca de 1 ano e 8 meses e acompanho a trajetória dessa atleta e seu canal no youtube, mesmo sendo homem, você é mais inspiradora do que os atletas masculino para mim. Força Raiza !
    1 ano atrás - Denunciar




  • Relacionados