home

Cresce pressão por punição máxima por doping mecânico


18 FEV, 2016     Gustavo Figueiredo    
     


Recentemente, o esporte com bicicletas viveu uma das situações mais vexatórias de todos os tempos. Como se não bastassem os inúmeros casos de doping químico que já viraram rotina, a atleta Femke Van den Driessche foi flagrada com um motor na bicicleta durante a disputa do mundial Sub-23 de Cyclo-Cross, realizado no dia 30 de Janeiro em Zolder, na Bélgica. Atualmente, o caso está sendo analisado pela Comitê Disciplinar da UCI.

imagem


De lá para cá, a entidade máxima do esporte intensificou a busca por motores elétricos em suas provas e grandes nomes do esporte como Eddy Merckx pediram o banimento vitalício da atleta. Porém, a pressão para que a UCI tome atitudes ainda mais drásticas cresce a cada dia. Nesta semana, a Associação dos Ciclistas Profissionais (CPS), presidida pelo ex-campeão mundial Gianni Bugno afirmou que o pelotão sente que o problema deve ser duramente combatido.

"Os ciclistas são a favor disso (punição severa) e eles são os primeiros interessados em desmascarar todos os que tem atitudes injustas, sejam eles ciclistas, mecânicos ou outros membros das equipes", disse.

"Estamos convencidos que a UCI está fazendo o melhor para aprimirar e redefinir os controles e esperamos que, com a cooperação dos fabricantes, outros progressos acontecerão, apagando qualquer dúvida relativa ao desempenho dos atletas", continuou.

Atualmente, a UCI está utilizando detectores eletromagnéticos para encontrar dispositivos de propulsão na bicicleta. Todavia, Brian Cookson, presidente da entidade, garantiu que novas medidas serão tomadas na tentativa de detectar fraude tecnológica.

Tour de France e a Liga Francesa de Ciclismo engrossam o coro


O diretor de prova do Tour de France Christian Prudhomm afirmou recentemente que a UCI precisa introduzir "a punição mais forte" contra qualquer um envolvido em doping mecânico. Engrossando o coro, Marc Madiot da Liga Francesa de Ciclismo (LNC), enviou uma carta para a UCI pedindo que "sejam implementadas todas as medidas necessárias para impedir qualquer tentativa de fraude".

Segundo ele, a LNC é favorável ao banimento vitalício de qualquer um envolvido com doping motorizado ou outras fraudes tecnológicas."Exigimos que o controle sistemático e punições mais severas e suspensão vitalícia para todos os envolvidos sejam introduzias o quanto antes", disse Marc Madiot.

Christian Prudhomm ainda afirmou que solucionar este problema é mais importante do que a briga de poder que está acontecendo atualmente entre a UCI e a ASO, organizadora do Tour de France. Todavia, ele afirmou que a ASO não pretende fazer as pazes com a entidade máxima do ciclismo até que o problema do doping mecânico seja completamente resolvido. Atualmente, o regulamento da UCI prevê suspensão de apenas seis meses e uma multa que pode variar de 20 a 200 mil Francos Suíços para atleta flagrados em doping mecânico.



Comentários



Relacionados