MENU

Gravel - Bicicletas versáteis para pedalar na terra ou asfalto

Confira mais detalhes das bikes gravel, categoria que está ganhando cada vez mais espaço em estradas de terra e asfalto

     

Mountain bikes, estradeiras, bikes de cyclo-cross, urbanas. O mundo das bikes é, de fato, repleto de opções diferentes, cada uma indicada para um tipo específico de uso. Recentemente, uma tipo de bicicleta tem ganhado cada vez mais popularidade dentro e fora do Brasil: as gravel bikes. Resumidamente, uma gravel reúne características de uma estradeira, mesclada com algo semelhante à uma bike de cyclo-cross (CX), porém com alguns detalhes que as tornam diferenciadas.

O que é Gravel Bike ?

Este tipo de bike tem uma proposta mais polivalente do que uma bicicleta de estrada, sendo capaz de encarar estradões de terra e até algumas trilhas, desde que o terreno não seja muito agressivo. Pedras, raízes e grandes inclinações não são desejáveis, já que estes são desafios mais indicados para uma mountain bike.

Foto 74157
    Pedro Cury

Além disso, uma bike gravel pode andar no asfalto. Mesmo que este não seja seu foco, ela será mais rápida do que uma bike de trilha, por exemplo. Em muitos casos, elas também são classificadas como Adventure Bikes, indicadas para a prática de ciclo viagens e bikepacking.

Qual a diferença de uma bicicleta Gravel para uma bicicleta de mountain biking ?

Uma mountain bike é projetada exclusivamente para andar na terra. Mesmo as menos agressivas, como as de Maratona, já são bem mais capazes em terrenos técnicos que uma Gravel, pois possuem pneus mais largos, geralmente suspensão dianteira e/ou traseira e geometria mais preparada para encarar obstáculos e inclinação.

Porém, por essas características, elas serão mais lentas no asfalto e muitas vezes em estradas de terra mais lisas. Além disso, serão mais caras e precisam de maior manutenção que uma Gravel. Uma das características mais marcantes é que mountain bikes não usam guidons estilo drop-bar, aqueles mais popularmente vistos em bicicletas de estrada.

Qual a diferença de uma bicicleta Gravel para uma bicicleta de estrada ?

As bikes de estrada (road bikes ou estradeiras), são projetadas exclusivamente para andar no asfalto. Isso traz uma série de inconvenientes e até limitações para o uso na terra. A maior limitação nessas bikes, é que em geral não cabem pneus maiores que 28 mm, devido ao espaço no garfo. Além disso, há diferenças na geometria, que interferem totalmente no conforto e controle da bike, além da relação de marchas, como veremos abaixo.

Qual a diferença de uma bicicleta Gravel para uma Cyclo-Cross ?

O primeiro ponto a ser destacado é que uma bike de cyclo-cross (CX) é uma bike de competição e por isso deve seguir uma série de regulamentos da UCI (União Ciclistica Internacional), com detalhes importantes como o limite de largura dos pneus em apenas 33 mm.

Foto 74154

Além disso, por serem desenhadas para rodarem em percussos muito específicos, com curvas super fechadas, muita lama e trechos onde é preciso carregar a bike no ombro, um modelo criado para o cyclo-cross possui um projeto bem restrito. Por outro lado, uma bike Gravel não precisa seguir nenhum regulamento, o que dá para o projetista a oportunidade de utilizar pneus mais largos, ao mesmo tempo que sua geometria pode ser mais estável e confortável.

Geometria de uma bike Gravel

Quando comparada com uma bike de cyclo-cross, uma gravel normalmente terá um head tube mais alto e relaxado, o que proporciona uma posição de pedalada mais ereta e mais estabilidade em trechos de alta velocidade ou mais esburacados - duas coisas que não existem em provas de cyclo-cross.

Além disso, o central costuma ser um pouco mais baixo do que numa cyclo-cross, já que o ciclista não precisa se preocupar tanto em bater os pedais no chão. Outro detalhe é que uma gravel é mais comprida no entre-eixos do que uma cyclo-cross, o que aumenta a estabilidade e o controle da bike em velocidades maiores, mas reduz sua agilidade em curvas super apertadas.

Geometrias com o tubo superior mair baixo perto do selim do que na caixa de direção (sloping) permitem que o ciclista tenha mais espaço para desmontar da bike pra frente. Em uma bike de CX, a geometria não pode ser muito slope (tubo superior inclinado) porque o atleta precisa encaixar o ombro por dentro do quadro em algumas situações.

Além disso, se você está acostumado com uma bike de estrada, normalmente uma gravel será mais confortável e estável, embora suas respostas sejam um pouco mais lentas, principalmente em mudanças bruscas de direção..

Freios a disco sempre presentes nas Gravel

A imensa maioria das bikes de gravel são equipadas com freios a disco, o que permite o uso de pneus grandes sem o risco de que ele raspe em algum lugar. Em alguns casos, ainda vemos bikes de CX equipadas com freios cantilever e, no caso das estradeiras, as ferraduras ainda são bastante comuns.

Foto 74155

Além disso, os freios a disco, principalmente os hidráulicos, são particularmente eficientes para segurar a bike com controle e potência em situações variadas, inclusive quando a bike está carregada com alforges pesados em uma viagem, por exemplo.

Relação de marchas

Por serem um "mix" de uma bike de estrada com algo mais capaz de andar na terra, uma gravel costuma ter uma relação de marcha um pouco mais "leve" do que uma speed, significando que ela não deve atingir a mesma velocidade final, mas será capaz de encarar subidas mais inclinadas. A combinação de coroas 46/30 e um cassete 11-34 é bastante comum.


Porém, muitas gravel já estão sendo equipadas com coroas únicas, mas com uma relação mais indicada para velocidade do que uma MTB. Isso quer dizer que se para a MTB as coroas de 32 e 34 dentes são comuns, no mundo da gravel esse número gira na casa dos 43 dentes, combinados com um cassete 11-42 - mais uma vez, como a categoria é bem "aberta" e cada marca vai apostar em uma receita.

Pneus maiores

Ao remover o freio ferradura de uma bike, é possível acomodar pneus bem maiores. Atualmente, boa parte das bikes gravel vem equipadas com pneus que passam dos 40mm, muitas vezes com pneus de até 42mm. Além disso, embora muitas bikes de gravel aposte em rodas 700c, alguns modelos usam rodas 650b, com pneus que ficam na casa das duas polegadas.

Foto 74158
    Pedro Cury


Com pneus maiores, uma gravel consegue encarar terrenos variados com mais facilidade do que uma bike de cyclo-cross. Pelo mesmo motivo, o conforto da gravel também é maior, sendo que a propensão a furos do tipo "mordida de cobra" também diminui com pneus com mais volume de ar.

Porque escolher uma bike gravel ?

A categoria gravel ainda é bastante nova e, por isso, cada fabricante aposta em um tipo de projeto. Em muitos casos, podemos encontrar bikes com suspensão dianteira e até suspensão traseira, com diferentes diâmetros de rodas e variadas opções para suportes de acessórios como para-lamas ou bagageiros.

Seja como for, se você estiver procurando uma bike versátil, capaz de encarar pedais na terra e no asfalto, inclusive viagens de bike e passeios que passem por ambos os terrenos, além de descolamentos urbanos com particular eficiência, talvez uma gravel seja uma excelente pedida para você.

Bikes Gravel no Brasil

No mercado brasileiro, existem vários modelos que se encaixam na categoria das Gravel Bikes. Dentre muitas outras, temos alguns modelos que a equipe do Pedal já teve a oportunidade de conhecer ao vivo:


Quando falamos em marcas internacionais, praticamente todos os grandes fabricantes de bikes possuem ao menos um modelo de Gravel, portanto a lista ficaria bem grande.

Tem uma bike gravel ? Conte sua experiência

Você já entrou no mundo das gravel ? Conte pra gente suas experiências nos comentários abaixo!


Conteúdo Relacionado

Comentários

é o FUTURO no Presente ... conceito tão lógico, mas tão lógico, que realmente parece até brincadeira não ter nascido e estabelecido com definitividade antes mesmo da speed, faça ideia das montanhesas. ACONTECE QUE MESMO O SIMPLES E ÓBVIO DEMORA MUITO PARA SER DESCORTINADO. Resumindo tudo o que poderia falar sobre a experiência, eis que me foi dada a liberdade como jamais poderia supor. Um aspecto incrível é que a enorme maioria dos que optam pela speed jamais alcançam a tal performance extrema à que se propõe e igualmente ocorre com as flexíveis ultra amortecidas de montanha que, na prática, geralmente são mesmo usadas ou nos asfaltos ou no máximo em esteadas de terra/cascalho - AÍ ENTRA A GRAVEL DESMONTANDO A TESE DE QUE NÃO SERIA ESPECIALIZADA EM NENHUM MODAL PORQUE ELA SIM, É ESPECIALIZADA (e como) NO QUE MAIS INTERESSA - ir e voltar inteiro!

Parabéns, tinha muita curiosidade por esse tipo de bike, foi muito esclarecedor.

Comprei uma gravel no ano passado, até então não tinha tido experiência alguma com road e dropbar.
Meu uso é urbano em SP-capital e tenho feitos alguns percursos em estradas de terra (nada de trilha), sendo que em alguns trechos encontro pedras soltas, nada demais, inclusive com 700x32 liso já rodei nessas condições, o conforto fica prejudicado, mas escolhendo bem o trajeto fica bem praticável e divertido. Na minha opinião a tocada é legal mesmo com 700x32 liso, desde que não haja pedras soltas grandes, buracos ou areia fofa, mas em estradão vai q é um mel... Hoje ando com 700x42 Urbano com cravos bem baixos, e é muito mais confortável e passa mais segurança, sendo prejudicada a velocidade no asfalto em relação ao 700x32 liso.
Para quem pensa em comprar uma gravel, dependendo da geometria (já que não há um padrão específico dentre as muitas marcas disponíveis), jamais será rápida como uma road, e da mesma maneira, se não tiver muito preparo, não tem como acompanhar pelotão de igual pra igual.... afinal os caras estão rodando em 700x23 - 700x28 e com bikes especificamente voltadas à velocidades mais altas. Claro, essa é a minha opinião. Se sua intenção for andar em asfalto, a gravel vai bem. Se for pra andar como road em asfalto, esquece... não vai ser igual. Se for uso urbano e estradão acredito que a gravel seja bem legal. Uma mtb é mais confortável pq encara melhor buracos e etc. estradão de terra “liso” acho a tocada da gravel muito gostosa.
Resumidamente, road é melhor pra velocidade (eu não ligo pra isso), pavimento normal, padrão brasileiro a gravel vai super bem. Trilha, terra solta e barro, a mtb vai melhor. No geral, mtb é mais confortável que gravel em qualquer situação, inclusive na cidade, mas em estrada road ou estradão a gravel tem uma tocada mais gostosa, sem ser entregar necessariamente o mesmo conforto, pela suspensão...eu não encaro trechos voltados ao MTB, então prefiro a gravel, gosto do drop, da posição, do conforto e aerodinâmica, especialmente a Versatilidade que oferece para pedais longos de 4,5,6 horas, se respeitadas as limitações. No começo pensava em comprar uma road pra coleção, mas minha pegada não é velocidade...hoje é mais fácil eu comprar outra gravel ou fazer um Frankenstein quadro bem leve de Mtb, com top tube curto, suspensão boa de pouco curso (40mm), drop e STI..

Gravel é a 27.5 da vez.

Possuo uma Gravel ou Bike All Road da Kona Bikes, modelo Rove DL. É uma bicicleta que atende para o meu estilo de pedalar, possui uma geometria focada mais para o commute (uso urbano e cicloturismo com auxílio de rack para alforges) adventure (uso de bikepacking) e endurance (instalando itens de bikepacking e aerobars). Me atende em todos os requisitos, é meu veículo de locomoção para o trabalho, aos finais de semana, o pedalar na estrada ou em estradas de terra com cascalho (daí o termo Gravel) com algumas trilhas, mas sem a velocidade e ataque de uma mtb (com suspensão).
O lado bom da geometria que proporciona utilizar diversas medidas entre aro (27,5 e 622, vulgo 700c) e pneus, sendo que possuo pneus para uso no Gravel (700x38c) e também pneus para Road Bike (bicicleta de estrada 700x28c).
Tenho utilizado muito pouco minha mtb, pois conduzir com guidão drop é outro nível.

O mercado nacional dispõe de alguns fabricantes (Audax e Soul por exemplo), mas em maior destaque os fabricantes da Dinâmica Bicicletas com a Guará, Cerunos Bikes com a Touro e também a Bornia & Cox Cycles e Cardoso Cycles que são framebuilder, construtores de quadros. O legal que eles criam a bicicleta aplicando em 100% o bikefit, diferente das bicicletas de “bike shopping” que estão com medidas estabelecidas, onde o cliente de alguma forma fará o bikefit com alterações de mesa (avanço), selim e ate mesmo guidão.

Parabéns pela matéria!

Muitos viram a cara pra Gravel, mas eu to torcendo pra que elas virem moda logo. Esse perfil de bike é perfeita pras cidades brasileiras, aguenta bem nosso asfalto ruim, tem as vantagens de andar como uma road e frear como uma moto. Pra nossas cidades que são puro buraco e cheias de motoristas desatentos, é a opção perfeita.

Nevinski, infelizmente a bike precisa ser projetada com a suspensão dianteira em mente. Se você colocar uma na sua Sense, mesmo que seja um modelo com pouco curso, inevitavelmente você vai alterar o angulo da caixa de direção, deixando as respostas da bike mais lentas.

Gostaria de botar uma suspensão dianteira em uma gravel, a da sense estava pensando, seria possivel?

Após alguns anos acompanhado esse mundo gravel, finalmente me rendi.
Comprei uma Sense Versa 2020 e há 2 meses estou me encantando com essa bike.
As sensações, o estilo de pilotagem e o prazer de pedalar uma gravel é totalmente diferente.
Tenho MTB e Road e não pretendo me desfazer delas.

Gosto muito do modelo da República Bicicletas, marca nacional que faz gravel sob medida

Recentemente comprei uma Gravel, Uma Cannondale Topstone Carbon que vem com um sistema de suspensão traseira o Kingpin seu principal diferencial, antes eu tinha uma Cannondale Synapse que já é mais confortável que uma road por ser uma bike para Granfondo mas a Gravel para quem vive em cidades como São Paulo que o asfalto é muito pior que a maioria das estradas de terra a Gravel é perfeita principalmente por aceitar pneus mais largos hoje tenho um 37mm com 55lbs no traseiro tenho 1.70 com 75kg então fica muito mais confortável a matéria cobre muitos pontos e o comparativo está bem acertado a Gravel é uma bike bem menos arisca mais na mão que uma road e bem mais leve 3 tão confortável quanto a MTB (hardtail) eu recomendo muito a Gravel para quem faz Pedal na cidade ou trilhas com estilo mais estradão vale muito e se for fazer um longão tipo audax é só colocar um pneu 28mm e vai ter uma quase road.

Mtb é para os fortes....

Transformei uma mtb em algo parecido com uma gravel. Tirei a suspensão dianteira e coloquei garfo rígido. Troquei os pneus de mtb por pneus urbanos 700x38. Ficou muito divertido!

Ótima matéria, mas também senti falta de exemplo a de marcas, modelos e faixas de preços.

Custo aproximado desta bike?

Preciso muito de opiniões.
Estou muito afim de uma gravel, explico.
Tenho apenas uma speed, não gosto de MTB.
Ando basicamente dentro da cidade e aqui o asfalto é horrível, trepida muito.
Gostaria de saber se: com uma gravel e, consequentemente, com um pneu mais grosso que o meu atual (700x28) teria mais conforto em asfalto ruim.
Entendo que terá perda de performance de uma para outra.
Conto ainda, tem dias que meu relógio atrasa de tanto que meu pulso chacoalha na speed (a uso para ir para trabalho).
Agradeço as respostas desde já.
Aos puristas do MTB: eu não quero pegar trilha, então tudo bem não ser uma MTB.

Excelente matéria, eu me rendi à Gravel. E quem ainda acha que é modinha, é porque ainda não pedalou com uma :)

Gostaria de saber os tamanhos de quadros disponíveis, no meu caso 1.93m, o maior.

Melhor matéria sobre Gravel que encontrei até agora... poderia listar as marcas e modelos que temos no mercado. Valeu