MENU

Audax FS 800 2019 em detalhes - Bike de enduro e all-mountain recebe alterações

Confira mais detalhes da Audax FS 800, bike de enduro e all-mountain que recebeu modificações para 2019

Atualmente, o mercado nacional para bicicletas de enduro e all-mountain é bem limitado. Em um cenário onde o ciclista está praticamente preso à marcas importadas, a Audax oferece a FS 800, modelo com quadro de fibra de carbono, aros 27.5 e 150mm de curso nas duas extremidades, recebendo algumas atualizações que prometem melhorar seu desempenho para 2019.

Foto 70002

Ficha técnica

Quadro: Full Suspension Carbono Ud Fs800
Garfo: Fox Float 36 Performance Air Com Trava Manual 15x110mm
Shock: Fox Float X2 P-s
Caixa de direção: FSA Semi-integrada
Câmbio: SRAM GX Eagle - 12v
Corrente: SRAM Eagle - 12v
Central: SRAM GXP Pressfit
Pedivela: SRAM GX Eagle 32d - 175mm
Cassete: SRAM Xg 10/50 D - 12v
Pedais: VP - VX-6000 9/16 Alumínio
Guidão: Curvo Grid Alum 20x760mm Clamp Ø35
Manoplas: Silicone Audax
Mesa: FSA Grid Alumínio 50mm 6°
Freios: Shimano SLX
Alavancas de câmbio: SRAM Gx Eagle 12v
Selim: Audax by Velo
Canote: Marzocchi Retratil 31.6 X 406mm C/ Ajuste No Guidão
Rodas: FSA Grid 27.5 Xd
Pneus: Continental Der Kaiser 27.5 X 2.4 - Protection
Preço sugerido: R$29,999.00

Novidades

Segundo Luiz Kuhlmann, gerente de Desenvolvimento de Produtos da Audax, a nova FS 800 recebeu importantes alterações estruturais, com modificações no projeto do quadro e da balança traseira que conferiram mais rigidez ao conjunto - uma característica fundamental para garantir boas acelerações e precisão em curvas e trechos muito esburacados.


O primeiro passo para isso foi retirar o suporte de montagem para um eventual câmbio dianteiro. Com a estrutura retirada, a engenharia pode aumentar a largura da balança traseira, do link inferior e de seu ponto de fixação - de quebra, a modificação ainda liberou um pouco mais espaço para o pneu traseiro.

Suspensão dianteira - A nova versão da bike também recebeu um garfo Fox Float 36 Performance com 150mm de curso equipado com o consagrado sistema hidráulico FIT GRIP, que pode ser travado por uma alavanca no topo da haste direita e tem regulagem de retorno na parte de baixo. Apesar de ser um modelo de custo menor, o sistema é amplamente conhecido pelo excelente desempenho, sendo frequentemente comparado a sistemas hidráulicos top de linha como o FIT4 da própria FOX.


Com espaçamento de 110mm para eixos de 15mm e espiga cônica, o garfo ainda compartilha seu chassi com o Factory, sendo a maior diferença a ausência do tratamento Kashima. Assim como o modelo topo de gama, o Performance também utiliza a mola de ar Float NA2, que pode ter volume de ar e progressividade regulados com a utilização de espaçadores na câmara como explicado no vídeo abaixo. Nas ocasiões em que usamos esta suspensão, ela agradou bastante pela suavidade e pelo bom suporte de meio de curso.



Novo shock - O modelo escolhido pela Audax para a FS 800 é o Fox Float X2, um shock que aposta no alto volume de ar para criar um funcionamento mais linear para a suspensão traseira - ele utiliza tecnologias bastante avançadas para oferecer um funcionamento excepcional.

Foto 70006
    Pedro Cury

O forte deste modelo é a ajustabilidade - compressão e retorno de alta e baixa velocidade - e a consistência proporcionada pela construção twin tube, sistema que circula o óleo entre dois tubos dentro do corpo do shock como demostra o vídeo abaixo. O modelo ainda conta com uma alavanca que permite ajustar rapidamente o funcionamento entre firme e macio.



Geometria

Disponível nos tamanhos 15.5, 17.5 e 19, a FS 800 é uma bike de Enduro voltada para trilhas onde a agilidade é importante. No tamanho intermediário, ela tem 430mm de alcance (reach) e 68 graus de ângulo de caixa de direção. Se comparada aos modelos mais progressivos do mercado, trata-se de uma geometria mais curta e ágil, indicada para trilhas com muitas curvas e mudanças de direção e sem grandes inclinações.

Foto 69999

Para permitir que as subidas também sejam vencidas, o tubo do selim possui uma inclinação de 74 graus, o que tende a posicionar o ciclista mais sobre o eixo do central durante trechos de pedalada montanha acima, facilitando o trabalho de gerar potência e evitar empinadas.

Componentes

A FSA, uma das marcas comercializadas pela DAX, importadora apresentada no ano passado, equipa a bike com componentes da linha GRID. A curta mesa de 50mm suporta um guidão de 760mm de largura com 20mm de levante, com a guia de corrente também GRID eliminando qualquer risco de descarrilhamento.


As rodas FSA GRID possuem construção assimétrica com 31mm de largura interna em aros de alumínio hookless compatíveis com Tubeless e cubo padrão XD - apesar de serem bem robustas, o peso divulgado para o par fica na casa dos 1835g. Os pneus Continental Der Kaiser 2.4 Projekt ProTection possuem um desenho agressivo, excelente proteção contra furo e uma carcaça reforçada para melhorar a estabilidade direcional da bike.

O selim da Velo com logo da Audax fica montado sobre um canote retrátil Marzocchi com acionamento interno.


Para a transmissão, a Audax apostou em um grupo completo SRAM GX Eagle com cassete 10/50 e coroa de 32 dentes, sendo que as frenagens ficaram por conta dos eficientes freios Shimano SLX com discos de 180mm na frente e 160mm atrás - os pedais VP VX-6000 completam a especificação da bike.

Para mais informações, acesse a página da FS 800 no site da Audax.


Relacionados

Comentários

a bike é vpp ou dw link?

A Audax poderia ter adotado a mesma geometria da KHS citada pelo José Luiz

Quem faz bike, tem que vender bike. E a realidade do comércio. Adequar preço a realidade do consumidor, é um complemento fundamental. Ou vai ser apenas vitrine. Mas é uma bela bike!

Gosto muito das bikes da Audax e essa tem um visual legal e atrativo mas realmente por esse preço igual a de uma Trek Slash carbono top com stock Reactiv e tudo mais. Esse ângulo de caixa realmente foge da realidade com 68.5° nos quadros maiores enquanto a maioria já ta com 65° ou menos.

Fico feliz em ver marcas nacionais investindo nessa modalidade, mas não entendo porque sempre querem entrar no AM/enduro com bikes todas em carbono, componentes top e com preços lá em cima. Porra, lancem uma bike de alumínio, com bom custo benefício, com uma configuração justa e uma geometria adequada, depois que consolidar um modelo, aí sim faz uma versão top de 30k...

infelizmente esse quadro é genérico. Fabricado na china. Várias marcas possuem esse mesmo quadro, um exemplo seria a famosa KHS. https://khsbicycles.com/bikes/2019-khs-models/sixfifty-6600-plus-19

Com esse preço, esse ângulo na caixa de direção , esse pedivela de 175mm e esses freios 2 pistões 180/160, vai continuar sendo mercado de nicho. Pior que um nicho para quem tem grana e não entende muito. É a famosa bike que um vendedor vai empurrar para um cara sem noção e com grana .

Angulo da caixa de direção muito íngreme se compararmos com bike da mesma modalidade e proposito. E sei que tem equipamentos de ponta, mas por esse preço vai continuar estando em um mercado muito limitado e com pouca adesão dos consumidores. Os mountain bikers ainda devem optar pelas marcas importadas, que já tem um histórico estabelecido no mercado. Pelo menos as brasileiras estão começando a dar mais valor ao Enduro e All Mountain. Por essa ótica é muito válido.

Geometria obsoleta e preço absurdo...
Se vender 10 no Brasil todo será muito.



Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando você concorda com a nossa política de privacidade.