Seção de Fotos Vazia Assalto pode marcar o fim da lendária Vista Chinesa - Pedal
home

Assalto pode marcar o fim da lendária Vista Chinesa


21 FEV, 2001     Pedro Cury    
     


Este último domingo foi marcado por um triste incidente. Luis Saboya, vice-campeão paulista de downhill, e Flávio Martins, campeão carioca da mesma modalidade, foram abordados por dois assaltantes enquanto desciam pela trilha da Vista Chinesa, no Rio de Janeiro. Os assaltantes conseguiram pará-los, pois eles estavam descendo descompromissados, checando as regulagens antes de começar os verdadeiros treinos. Um deles possuia um revólver, e ameaçou-os diversas vezes, pois eles tentaram negociar a situação. Um outro ciclista que veio atrás, foi rendido e teve o pneu da bike furado com uma faca, para não ter a possibilidade de seguir os dois assaltantes. Depois de levarem as bikes (uma Santa Cruz Bullit e uma Schwinn Straight 8), Flávio, inconformado, foi correndo atrás dos assaltantes e conseguiu seguir um deles, de carro, até as ruazinhas do Horto, onde encontrou sua bike abandonada no chão.Saboya não teve a mesma sorte e está inconformado, pois além de perder a bike montada com todo carinho e sacrifício, ainda vai ficar de fora da primeira etapa do campeonato paulista de downhill que acontecerá 04/03.

Estamos comunicando todas as lojas, e todos os amigos ciclístas para ficarem atentos a informações sobre a bike do Saboya, pois já houveram casos em que bikes roubadas foram recuperadas. A bike era uma Santa Cruz Bullit azul-claro, com suspensão dianteira Rock Shox Boxxer preta, freios a disco Hope dianteiro e Fórmula traseiro. Qualquer informação que ajude na busca da bike, pode ser enviada para o email lec@jfrj.gov.br ou pelo telefone (0XX21)9338-1112. Como essa talvez seja a única bike da cidade do Rio com essas características, qualquer informação sobre ela é relevante.

Este triste incidente poderá marcar o fim dos treinos em uma das trilhas mais famosas do Brasil. A Vista Chinesa foi palco de campeonatos estaduais e brasileiros. Apesar de ser uma trilha excelente, de ótimo nível técnico, é localizada no coração do Rio de Janeiro, bem no meio da zona sul, coisa muito rara em qualquer lugar do mundo. Também é ponto de encontro garantido dos downhilleiros nos fins de semana. Abaixo temos o email que Flávio mandou para nós:

"Pratico o MTB a mais de 11 anos e desde o começo frequento as trilhas da Vista Chinesa sem problemas. Uma vez por ano ouvimos casos de assaltos à bikes mas em outras trilhas que não são mais utilizadas pois o dono do terreno por onde elas passam fechou o acesso. Neste domingo fui com um amigo estreiar minha bike que acabei de comprar de um outro amigo na trilha da Vista Chinesa onde já aconteceram alguns campeonatos de Downhill e na qual treino todos os finais de semana. Na primeira descida, ao estar me deliciando com a minha nova bike, dei de cara com dos dois ladrões que apontou um revólver na minha cara e ao mesmo tempo apontava uma faca. Disse a ele que podería levar tudo menos a minha vida. Detalhe é que a bike que comprei esta parcelada em 5 vezes e apenas paguei a primeira parcela. Entreguei minha Schwinn Straight 8 na mão do ladrão e ele mandou eu deitar e não olhar para a cara dele. O mais incrível é que ele tinha cara de ser um playboy da zona sul e que estava roubando a minha bike só para trocá-la por um saco de cocaina.

Ao ver a bike que sonhei ter por quase 11 anos e que trabalhei muito para conseguir comprar indo embora nas mãos de um ladrão não me conformei e sai correndo atrás dele como um louco pela trilha. Parecia um filme de Hollywood, toda aquela correria, eu gritando para ele deixar a minha bike dizendo para ele que não conseguiria vender para ninguém já que todos no Rio de Janeiro conhecem a bike. Quando o ladrão saiu da trilha e pegou o asfalto entrei correndo no carro do meu amigo que roubaram a bike dele também e fui atrás da minha bike. Entrei em um labirinto de ruas que ficam no entre o Horto e o Jardim Botânico e com a ajuda da galera local do Horto consegui milagrosamente recuperar a minha bike pois o ladrão não estava conseguindo pedalar com ela e jogou ela no chão e fugiu. Assim q coloquei a minha bike no carro chamei a galera para entrar no carro e ir em busca da outra bike roubada que é uma Bullit azul com Boxxer 151 preto, freios Hope dianteiro, Formula traseiro, Guidon Azonic, MRP original e aros Mavic 521. Passamos pelas ruas do Jardim Botânico e infelizmente não conseguimos recuperar a Bullit do Luis (Mulambo Team). É isso aí galera, lanço aqui um comunicado de busca dessa bike e qualquer notícia peço o favor de escreverem para o site pedal.com.br ou para o Luis. Gostaría muito da colaboração de todos os Mountain Bikers do Brasil para tentar recuperar essa bike ou pelo menos o quadro ou a Boxxer. Uma boa recompensa será dada a quem ajudar a localizá-la. Essa bike estava pronta para competir em todos os campeonatos do Brasil e só quem é amigo do Luis sabe o quanto ele trabalhou e lutou para ter essa bike. É óbvio que os ladrões vão desmontar e pintar o garfo e o quadro para tentar vender mas se você souber de algo por favor contacte o site que seu anonimato será garantido."

Pois é galera, os treinos na Vista Chinesa acabaram. Terei que pegar a estrada para ir treinar em Petrópolis, Itatiaia ou em outro lugar que não seja a trilha na qual me tornei campeão carioca invicto no final do ano de 99 e na trilha que considerava o quintal da minha casa. Adeus Vista Chinesa.

Estou traumatizado e não tiro a cena do ladrão apontando o revólver na minha cara nem por um instante mas posso te garantir que não vou fugir do Brasil e nem vou vender a minha bike por causa disso. Amo muito o Mountain Bike para que um ladrão termine com o meu sonho de competir e me divertir.

Espero que um dia o ladrão playboy que tentou levar minha tão desejada bike leia esse texto e veja que só porque trabalhei durante anos para comprar uma bike cara como essa não quer dizer que qualquer um possa vir e levar ela de mim. Se tenho aparência de mauricinho não quer dizer que eu seja um. Meus melhores amigos moram na Favela, conheço gente de todas as favelas do Rio de Janeiro e não gosto de playboys e mauricinhos. Se eu fosse um mauricinho não seria local do Pepino na Rocinha onde todos os gerentes de bocas de fumo e bandidos me respeitam e apertam a minha mão, não frequentaría os bailes funk que costumo frequentar em várias favelas do Rio, não teria amigos que moram na Favela e por aí vai. Sou uma pessoa muito simples que sonha em morar em uma praia distante que tenha uma serra com várias montanhas ao lado e ter a minha horta, minha casinha de madeira. Fora dessa violência urbana que já passou dos limites a muitas décadas e que só tem tendência a piorar. Eu não tenho culpa de ter a sorte de ter pais com condições de me dar comida e escola até os 18 anos pois desde então trabalho para pagar as minhas contas, para comer e viver.

Meu conselho é para que todos tenham mais cuidado do que nunca ao tirar suas tão queridas bikes de dentro de casa e colocá-las nestas tão perigosas trilhas desse nosso tão lindo e perigoso Brasil.

Mud is the living life.
Flavio Martins


Comentários



Relacionados