Entendendo Freios


23 JUL, 2008         



Freios

Os freios são partes essenciais de uma bicicleta, estando presentes em quase todas as modalidades, exceto em algumas situações no BMX. São compostos das alavancas (manetes), os cabos/conduítes (hidráulicos ou de aço) e os freios em si.

Alguns fatores fazem alguns sistemas de freios e marcas/modelos melhores que outros, como: peso, conforto, facilidade de regulagens/manutenção, força e modulação (controle da suavidade da frenagem).

Existem vários sistemas de freios para bicicletas, entre eles os já quase extintos cantilevers, os v-Brakes, os freios hidráulicos, ferraduras e os freios à disco (mecânicos ou hidráulicos).

imagem

Ferraduras

Normalmente utilizado em bicicletas de estrada, as ferraduras tem o formato de um U de cabeça para baixo. As mais antigas tem apenas um pivô central, ao redor do qual as pernas do U se aproximam ao serem puxadas pelo cabo, apertando as sapatas contra o aro. Já as ferraduras mais modernas tem um sistema composto por dois pivôs, garantindo mais potência e modulação.

Cantilevers

Os freios cantilevers não são mais encontrados em bikes modernas. O sistema dele é bem simples: um cabo de aço é ligado a um outro cabo fazendo uma estrutura em "V" e cada lado acionando uma das pastilhas. Esse sistema caiu em desuso por ser trabalhoso de regular, necessitar muita força nas manetes em condições mais extremas e não ter muita modulação. Foi um sistema muito usado e eficiente para a época.

V-Brakes

Os freios V-Brake foram a evolução natural dos cantilevers. O sistema de funcionamento dos V-brakes é bem eficiente: o cabo de aço que sai da manete, aciona diretamente, pelo lado os dois braços da pastilha, puxando um lado e empurrando o outro ao mesmo tempo. São chamados também, menos popularmente de freios "direct pull" ou "side pull" por essa característica. O braço que sustenta as pastilhas faz uma alavanca para garantir uma força suficiente para uma boa frenagem. Os V-Brakes foram gradualmente substituídos pelos freios a disco em bicicletas mais modernas. Hoje, este sistema ainda pode ser encontrado em bicicletas mais básicas ou antigas. Porém, já nas linhas intermediárias de quadros e garfos, a única opção de montagem são o discos, já que eles não contam mais com os pinos de montagem para V-Brakes.

Freios Hidráulicos

Os freios hidráulicos, conhecidos por alguns como "v-brakes hidraulicos" foi moda há alguns anos atrás, porém hoje não oferecem muitas vantagens sobre os discos. Eles são um pouco mais pesados que os v-brakes, precisam de um pouco mais de manutenção por serem hidráulicos e o preço é mais alto. Por serem de aro, porém, possuem a maior força de todos e se tornam indispensáveis para o biketrial. Nessa modalidade, quase todos os pilotos usam um freio hidráulico de aro na roda de trás. A marca mais popular e única no mercado até 2008 era a alemã Magura. Agora a Try all, marca inglesa exclusivamente de peças de biketrial, também fabricam um modelo.


Freios a disco

Já os freios a disco, seguem um sistema que é considerado o mais eficiente possível, já consagrado em motocicletas tanto de rua quanto de competição. Atualmente muito comum em bicicletas de MTB, os freios a disco estão começando a aparecer em bicicletas de estrada, porém ainda de forma relativamente tímida e somente em modelos de alta gama. Todavia, a tendência é que a tecnologia se popularize assim como aconteceu no fora de estrada.

O sistema de frenagem é composto por: rotores (discos), presos no cubo (centro da roda), manetes (hidráulicas ou mecânicas), conduítes e cálipers ou pinças (estrutura que contem as pastilhas).

Os calipers do freio dianteiro são fixados na suspensão ou no garfo e os traseiros num suporte especifico no quadro. A função dos calipers é pressionar as pastilhas contra os discos.

Independende de serem mecânicos ou hidráulicos, as vantagens principais dos freios a disco são:
- Os freios não entram em contato com o aro, portanto se o aro empenar ou amassar, o freio não vai travar a roda como nos outros sistemas e será possível pedalar até que se conserte.
- Como o freio fica no centro da roda, terá menos contato com lama e água em condições adversas, sendo mais eficiêntes nessas situações.
- Não desgasta o aro, aumentando sua vida útil, já que não entra em contato com ele.
- Oferece tamanhos diferentes de discos, o que altera sua força, modulação e peso para se adaptar à diferentes situações ou preferência dos praticantes.
-Evita os problemas de delaminação por alta temperatura em aros de carbono de bicicletas de estrada.
-Evita a falta de potência de frenagem em aros de carbono de bicicletas de estrada, problema particularmente grave em situação de chuva.

As desvantagens principais são:
- Por ser um sistema mais complexo, exige maior manutenção e cuidado.
- Preço mais elevado que v-brakes ou ferraduras.
- Peso por enquanto ainda maior do que as ferraduras de estrada



Freios a disco mecânico

Os freios a discos mecânicos funcionam através de cabos de aço, assim como os v-brakes. Pode-se usar inclusive as mesmas manetes de v-brakes. O cabo de aço passa pelo conduíte até o cáliper que aciona as pastilhas. O cáliper dos freios mecânicos algumas vezes são totalmente mecânicos, mas algumas vezes possuem um sistema hidráulico para aumentar a força da frenagem.

A única vantagem dos freios a disco mecânico, além das vantagens gerais, é que necessita de menor manutenção, já que não possui conduíte e nem manete hidráulicos. Ou seja, caso haja algum problema com o freio, normalmente basta trocar o cabo de aço, diferentes de problemas mais complexos de vazamento ou até rompimento dos hidráulicos.

Porém, as desvantagens são muito maiores. Os discos mecânicos não possuem a mesma força e modulação que fazem os discos hidráulicos tão superiores.



Freios a disco Hidráulicos


Esses são os sistemas top de linha hoje em dia. Apesar disso, já estão se tornando cada vez comuns e mais baratos.

Imagine um freio com força que te permite frear apenas com um dedo, mesmo em altas velocidades, e controlar com uma grande margem a dosagem da frenagem sem precisar travar a roda. Esses são os freios a disco: suaves, fortes e precisos. Hoje, todas categorias do MTB são praticamente inimagináveis sem os freios a disco hidráulicos, cenário diferente do que acontece na estrada, onde as ferraduras ainda tem amplo domínio.

O sistema todo nesses freios é hidráulico. A manete contem um reservatório com óleo que é usado para acionar as pastilhas.

As desvantagens são o preço mais elevado de alguns modelos e a maior complexidade mecânica. Apesar desse último item, algumas pessoas possuem freios há anos e nunca precisaram fazer nada mais que trocar as pastilhas. Outros problemas mais específicos precisam de maior atenção, como ar entrando no sistema ou esquentando demais em outros. Uma boa oficina consegue resolver esses problemas bem rapidamente, trocando o óleo do freio por exemplo.


Qual sistema é certo para você?

Isso só depende de você! Uma bicicleta de passeio pode usar até um V-Brake bem regulado. Algumas bikes de passeio são vistas com freios a disco hoje em dia por puro modismo, pois o preço de um bom par de freios pode custar mais do que uma bicicleta de passeio básica.

O ideal em qualquer caso é que se comece com pelo menos um bom v-brake. Definitivamente a qualidade conta muitos pontos aqui: Portanto, é melhor ter um v-brake de boa qualidade do que um disco de qualidade duvidosa. Tente experimentar os diferentes tipos para entender na prática as vantagens de cada um e descobrir o que vai ficar melhor no seu caso particular.


Fotos (6)

foto 0 - foto 1 - foto 2 - foto 3 - foto 4 - Mais Fotos


Comentários